Padre critica mortos em incêndio na Kiss: "Se estivessem dormindo, não teria acontecido nada"

Padre critica mortos em incêndio na Kiss: "Se estivessem dormindo, não teria acontecido nada"

Pároco de Farroupilha afirmou que jovens escolheram estar na boate.

Afirmações de um padre a uma rádio de Farroupilha, na Serra do Rio Grande do Sul, ganharam repercussão nas redes sociais um dia depois que o incêndio na boate Kiss completou um ano. Na entrevista, o padre afirmou que a morte de 242 pessoas foi "imprudência" dos próprios jovens que estavam na casa noturna. As declarações geraram uma resposta da Associação de Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia (AVTSM) e a declaração do padre de que houve mal-entendido.

Durante a entrevista, realizada na manhã de terça (28), o padre Odair Risso criticou a falta de segurança em casas noturnas e o Conselho Tutelar. Segundo ele, o órgão é a ?maior praga do mundo?, pois não permite que jovens trabalhem.

?Se estivessem dormindo, não teria acontecido nada. Se enfiar dentro de um caixote sem saída (...) a imprudência é deles. Essa é a minha opinião (...). A pior praga do mundo são os conselhos tutelares de alguns estados, que não permitem que os jovens trabalhem. Então, se prostituir, se drogar, pode. Só não pode trabalhar?, questionou o pároco.

Risso volta a citar a tragédia e diz que sua opinião poderia chocar. ?Por que os pais não olham? Depois choram, largam lágrimas e fazem o escarcéu. Existem maneiras de se divertir (...). Tinha gente lá dentro, só que eles não falam em público, que os jovens descarregaram os extintores para brincar, fazer a fumacinha. É uma irresponsabilidade do jovem também. Tinha drogas e álcool?, afirmou Risso.

Já durante o programa do fim da tarde da rádio Spaço FM, o presidente da AVTSM, Adherbal Ferreira, comentou a entrevista e considerou ?decepcionante? as palavras usadas pelo padre. Durante o áudio, Ferreira e Risso conversam simultaneamente com o locutor.

?Fico chateado, o chefe supremo da Igreja Católica, o papa Francisco, nos apoia, apoia os jovens, inclusive mencionou meu nome ao bispo de Santa Maria, enviou um texto para mim. Se o Papa nos apoia, apoia os jovens, como um padre pode dizer infâmias dessa natureza? Não vamos generalizar jamais, porque a Igreja Católica é nossa companheira, mas é decepcionante?, repetiu Ferreira.

Ao longo da conversa, o presidente da associação pede diversas vezes para que o pároco se desculpe. Em resposta, o padre afirmou que ?tudo não passou de mal-entendido? e que durante a entrevista da manhã ele estava dirigindo e não conseguia ouvir o repórter.

Procurado, Adherbal Ferreira argumentou que pediu para o padre enviar uma carta registrando as desculpas. ?Ele falou uma grande besteira, desrespeitou famílias. Eu deixo livre, para cada um fazer o que acha melhor, tomar alguma providência. Ele deveria ter uma correção do próprio bispo dele?, apontou.

Em contrapartida, Risso afirmou já ter enviado uma carta a Santa Maria e garantiu que conversou com religiosos da igreja do município nesta manhã. ?Já falei com os interessados e foi um mal-entendido. Encaminhei uma carta por escrito ontem e está tudo direitinho. Eu perdoei e ele me perdoa, foi isso que ficamos de acordo. Perdoar é divino?, completou o religioso. Até as 14h desta quarta-feira, a AVTSM não havia recebido a carta.

Entenda

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, na Região Central do Rio Grande do Sul, ocorreu na madrugada do dia 27 de janeiro de 2013. A tragédia matou 242 pessoas, sendo a maioria por asfixia, e deixou mais de 630 feridos.

O fogo teve início durante uma apresentação da banda Gurizada Fandangueira e se espalhou rapidamente pela casa noturna, localizada na Rua dos Andradas, 1.925.

O local tinha capacidade para 691 pessoas, mas a suspeita é que mais de 800 estivessem no interior do estabelecimento. Os principais fatores que contribuíram para a tragédia, segundo a polícia, são: o material empregado para isolamento acústico (espuma irregular), uso de sinalizador em ambiente fechado, saída única, indício de superlotação, falhas no extintor e exaustão de ar inadequada.

Ainda estão em andamento dois processos criminais contra oito réus, sendo quatro por homicídio doloso (quando há intenção de matar) e tentativa de homicídio, e os outros quatro por falso testemunho e fraude processual. Os trabalhos estão sendo conduzidos pelo juiz Ulysses Fonseca Louzada. Sete bombeiros também estão respondendo pelo incêndio na Justiça Militar. O número inicial era oito, mas um deles fez acordo e deixou de ser réu.

Entre as pessoas que respondem por homicídio doloso (com intenção), na modalidade de "dolo eventual", estão os sócios da boate Kiss, Elissandro Spohr (Kiko) e Mauro Hoffmann, além de dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira, o vocalista Marcelo de Jesus dos Santos e o funcionário Luciano Bonilha Leão. Os quatro chegaram a ser presos nos dias seguintes ao incêndio, mas a Justiça concedeu liberdade provisória aos quatro em maio do ano passado. Entre os bombeiros investigados, está Moisés da Silva Fuchs, que exerceu a função de comandante do 4° Comando Regional de Bombeiros (CRB) de Santa Maria.

Atualmente, a Justiça está em fase de recolher depoimentos dos sobreviventes da tragédia. O próximo passo será ouvir testemunhas. Os réus serão os últimos a falar sobre o incêndio ao juiz. Quando essa fase for finalizada, Louzada deverá fazer a pronúncia, que é considerada uma etapa intermediária do processo.

Se o magistrado "pronunciar" o réu, ele vai a júri (a pronúncia é a ordem para ir a júri). Outra possibilidade é a chamada desclassificação, quando o juiz não manda o réu para júri, mas reconhece que houve algum tipo de crime. Nesse caso, a causa será julgada sem júri. Também existe a chance de absolvição sumária dos réus. Em todas as hipóteses, cabe recurso.

No âmbito das investigações, três delas estão sendo conduzidas pela Polícia Civil. Além dos documentos sobre as licenças concedidas à boate Kiss, um inquérito apura as atividades da empresa Hidramix, responsável pela instalação de barras antipânico na boate, e outro analisa uma suposta fraude no documento de estudo de impacto na vizinhança do prédio onde ficava a casa noturna. O Ministério Público, por sua vez, investiga as responsabilidades de servidores municipais na tragédia.

Fonte: G1