Paralisação de enfermeiros tende a tumultuar HUT

Paralisação de enfermeiros tende a tumultuar HUT

O movimento foi deflagrado por conta do não pagamento destes profissionais.

Ontem (31) e hoje (01) enfermeiros e técnicos de enfermagem do Hospital de Urgência de Teresina (HUT) e demais hospitais municipais da capital paralisaram suas atividades. O movimento foi deflagrado por conta do não pagamento destes profissionais e com isso apenas 30% da categoria comparecerá aos plantões. Tendo em vista esta realidade, o tumulto nestes hospitais tende a se agravar.

No HUT, por exemplo, este movimento já aumentou em 100% devido as confraternizações de final de ano. Quem vivenciou este atendimento no local ainda ontem, foi o escritor Ezequiel Firmo de Oliveira.

Conforme explicou, sua sobrinha de 13 anos sofreu um acidente muito grave na sexta-feira, dia 28, e agora luta pela vida em uma das macas do hospital. ?A nossa luta agora é no sentido de tentar transferi-la para o HGV, pois o estado dela é muito grave, ela fraturou o fémur e o braço direito. A situação ainda está pior, porque eu nem posso mais adentrar o local?, confirma Ezequiel.

O auxiliar de vendas, Ronaldo Soares, também estava no local pela manhã na esperança de entrar para ver o cunhado hospitalizado por conta de uma fratura no fémur. ?Ele está na esperança de ser atendido desde ontem. Agora só é contar com a misericórdia de Deus dentro deste hospital?, comenta.

Francinete Lopes, lavradora, também estava esperando, em prantos, uma resposta sobre a mãe que tinha acabado de entrar no hospital em estado grave. ?Ela tem 62 anos e está em situação grave, por conta de uma água na barriga. Minha esperança é que tudo se resolva, em meio a um péssimo atendimento e falta de educação?, frisa a lavradora.

Apesar da série de complicações deflagradas, não foi possível obter nenhum esclarecimento por parte do sindicato da categoria, nem da direção geral do hospital de urgência. Segundo os profissionais de saúde, a paralisação é considerada somente uma advertência para uma possível greve da categoria.

Fonte: Thauana Cavalcante