Paralisação sinaliza greve e quer adesão de professores

Esta já é a segunda paralisação da classe em menos de 20 dias, o que acende o sinal vermelho para a possibilidade de mais uma greve das federais.

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTA SEXTA-FEIRA (24) DO JORNAL MEIO NORTE

Por: Lucrécio Arrais

Os professores da Universidade Federal do Piauí (UFPI) paralisaram suas atividades mais uma vez nesta quinta-feira (23). A decisão, acertada em assembleia geral convocada pela Associação de Docentes da Universidade Federal do Piauí (ADUFPI) na quarta-feira (15). Esta já é a segunda paralisação da classe em menos de 20 dias, o que acende o sinal vermelho para a possibilidade de mais uma greve das federais.

A paralisação de ontem teve como objetivo chamar a atenção da população para as negociações com o Governo Federal, que iniciaram com bases sindicais. “Queremos chamar atenção do governo para a primeira rodada de negociações do Ministério do Planejamento com o ANDES. Queremos chamar atenção para nossas reivindicações sejam cumpridas”, declara o professor Marcos Santos, presidente da ADUFPI.

Porém, o movimento ainda busca adesão por parte de alunos e técnicos-administrativos da instituição, além de professores que insistem em ministrar aulas, contradizendo o que foi acordado em assembleia. As reivindicações são muitas, e incluem questões de carreira, salariais, melhores condições de trabalho e os 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação. “O movimento está começando agora, é um processo. Na paralisação passada nós fizemos uma estimativa e 35% a 45% pararam. É um número razoável. Mas alguns departamentos pararam quase 100% hoje, percebemos uma adesão bem maior”, considera Marcos Santos.

Fonte: Lucrécio Arrais