Perito confirma que Caio Souza lançou rojão que matou cinegrafista Santiago

Ele identificou elementos que permitem a identificação do suspeito.

Na internet, em rede sociais, circulam mensagens que põem em dúvida a identificação de Caio Souza como a pessoa que posicionou o rojão que matou o cinegrafista da TV Bandeirantes. A pedido do Jornal Nacional, o perito Nelson Massini examinou as imagens que levaram a polícia até o autor confesso.

O Jornal Nacional exibiu, na quarta-feira (12), fotos e vídeos registrados antes da explosão do rojão. Eles mostram a participação de Caio de Souza no protesto de quinta-feira passada. O perito Nelson Massini comparou os registros à foto tirada instantes depois do lançamento do rojão.

Repórter - A gente pode dizer que essa pessoa aí que aparece correndo, nessa foto, ela é o Caio?

Perito - Podemos dizer, sim. Tecnicamente, inclusive, podemos fazer essa afirmação. Ele é aparentemente mais gordo, mas isso é uma distorção de imagem.

Repórter - O fato de essa foto aparentar uma pessoa mais forte, mais gorda, isso não quer dizer nada?

Perito - Não, não quer dizer nada. Isso é realmente uma distorção, provavelmente pela camisa, um pouco mais solta, o movimento dele de corpo, o ângulo que a foto foi tirada, isso não deixa a menor dúvida de que é ele. Nós temos uma foto em que praticamente todo mundo está fora do peso. Inclusive o Caio. Dá a impressão que é mais gordo, está inclinado. Mas eu não tenho dúvidas.

Nelson Massini destacou a presença de pelo menos quatro elementos que, para o perito, permitem a identificação de Caio: um relógio, uma pulseira, a calça desbotada e o tênis.

Repórter - Em todas as imagens o Caio aparece com um relógio, no braço direito?

Perito - Nós destacamos isso, quer dizer, aparece com esse relógio, uma pulserinha preta no outro braço. Na cabeça, a gente não pode dar os detalhes da cabeça, porque ele está com um pano preto. Na calça, esse descolorido aqui da calça é muito evidente na perna esquerda. E um tênis que inclusive foi apreendido no local, na casa dele.

O perito também comparou a cor da pele, nas imagens registradas na Central do Brasil e na foto tirada após a explosão.

Perito - Se percebe que ele é moreno, e que aqui nestas imagens aparece um pouco mais claro até por conta da claridade. Há fotos que são em ambiente fechado, a claridade é diferente e a imagem também foi bem captada de maneira diferente, então... Essa variação de cor de pele também é possível, mas não há dúvida, por outros elementos, não é só a coloração de pele que está sendo avaliada, por outros elementos, não fica dúvida de que esse que aparece correndo é o mesmo que aparece dentro da central do Brasil.

Também foi mostrado a Nelson Massini outra imagem, publicada em redes sociais. Um homem de jeans e camisa cinza aparece em frente a PMs. Na internet, ele é apontado como a pessoa que aparece correndo depois de lançar o rojão.

saiba mais

Em depoimento, suspeito nega ter acendido rojão e culpa outro preso

Viúva de cinegrafista "sente pena" dos suspeitos pela morte do marido

Vídeo mostra suspeito de acender rojão no Rio em confusão na Central

Advogado diz que tem nome de suspeito de deflagrar rojão

Preso por rojão em ato já viu o outro suspeito em protestos, diz delegado

Repórter - Professor, e essa outra pessoa aí, que aparece conversando com policiais militares... Tem as mesmas características do Caio?

Perito - Não, esse está até mais simples, porque já se vê que o sapato é de uma coloração diferente, a calça tem um formato descolorida, diferente, a camisa é cinza, mas é um cinza homogêneo, por igual, não tem a transpiração impregnada aqui na camisa. O cabelo, o corte é diferente, e a ausência do relógio. Então, esse aqui a cor de pele é bem mais branca do que aquele outro, apesar da iluminação, esse aqui facilmente a gente pode dizer que não tem nenhuma ligação com aquela imagem que nós temos anteriormente.

Repórter - Não é o caso?

Perito - Não é o caso.

Um homem se identificou nas redes sociais como a pessoa que aparece falando com policiais, na última imagem mostrada na reportagem. Ele diz que se chama Tomaz Cesario Alvim Martinelli e que estava na manifestação de quinta-feira passada. Afirma também que, no momento em que a imagem foi registrada, estava pedindo à polícia que parasse de atirar bombas de gás lacrimogêneo na direção das pessoas que ajudavam o cinegrafista ferido. E se queixou do uso da imagem dele de forma imprópria. Caio de Souza já tinha admitido à repórter Bette Lucchese que foi ele quem acendeu o rojão.





Fonte: G1