Pesquisador da Uespi conquista patente para manejo galinha caipira

A aprovação da proposta de patente foi publicada dia 26 de janeiro

O professor Firmino José Vieira Barbosa, do curso de Agronomia da Universidade Estadual do Piauí, obteve uma significante conquista para a instituição e em específico, para o curso de Agronomia da IES. O pedido de depósito de patente intitulado “Bioprocesso de Caracterização, Manejo, Produção, Conservação e Multiplicação de Ecótipos de Galinhas Naturalizadas (caipiras e/ou de capoeira)”, apresentado pelo docente ao Instituto Nacional de Produção Industrial (INPI) ainda no ano de 2011, foi aprovado recentemente. A aceitação aconteceu no mês de janeiro deste ano.

Com a homologação da patente, o reconhecimento das aves (caipira) deve passar por um processo de caracterização a ser feito pelo Núcleo de Conservação de Galinhas Naturalizadas do Meio Norte (Nugan-MN), projeto executado por alunos e professores do curso de Agronomia da Uespi e coordenado por Firmino. Com a homologação, pesquisadores responsáveis pela pesquisa na Uespi serão legalmente habilitados a conduzir a investigação científica das espécimes Galius galius domesticus, conhecidas como “galinhas caipiras” e dela receber dividendos – partilhados com o Nitec/UFPI, que deu suporte institucional ao invento.

A caracterização consiste em identificar a origem, genética, morfometria (identificação de populações de organismos vivos, que podem assumir formas ou tamanhos diferentes conforme o ambiente em que se desenvolveram) dentre outros aspectos para que se possa conceder o reconhecimento. “A partir de agora toda galinha para ser reconhecida como caipira tem que passar por esse processo e os únicos oficialmente habilitados para trabalhar com a galinha caipira somos nós da Universidade Estadual do Piauí”, explicou Firmino José.

Para o diretor do Núcleo de Inovação tecnológica da Uespi, Carlos Giovanni essa é mais uma conquista de um pesquisador da Uespi e acrescenta que outras pesquisas poderão receber patentes pela própria IES, com a criação do núcleo em 2014. “A Uespi parabeniza o docente e com essa patente resguarda a invenção do autor, além do prestígio da Uespi na prestação de serviço à sociedade”, destacou o docente. O NIT é o responsável por patentear e assegurar a produção intelectual de obras científicas, literárias, artísticas entre outras, de projetos desenvolvidos tanto por docentes da universidade como de outras instituições.

Fonte: Com informações do Portal do Governo