Pizzaria fecha as portas após negar entrega a casal gay e gera repercussão

Pizzaria fecha as portas após negar entrega a casal gay e gera repercussão

A pizzaria Memories Pizza, que fica em Walkerton, no estado de Indiana, Estados Unidos, fechou as portas após negar atendimento a um casal homossexual e ser tachada de “pizzaria anti-gay” no bairro e nas redes sociais. De co-propriedade de Kevin O’Connor e sua filha, Crystal O’Connor, o estabelecimento foi alvo de comentários após dizer não a um casal gay que solicitou a entrega de pizzas em seu casamento. A informação é do site Huffington Post, dos Estados Unidos.

Depois da repercussão, a página da pizzaria na internet recebeu centenas de comentários de represália à atitude e o telefone dos comerciantes não parou de tocar. Eles, no entanto, alegam não ter nada contra homossexuais mas dizem que “o atendimento a casamentos gays vai contra suas crenças”.

“Se um casal gay entrou e queria que nós atendêssemos com pizzas para o seu casamento, eu tinha que dizer não”, disse Crystal ao canal local de televisão ABC 57, e completou: “Somos uma instituição cristã”.

Após a negação, os empresários relatam ter fechado a pizzaria por terem recebido ameaças. Uma página na internet criada para defender a reabertura da pizzaria, no entanto, vem chamando atenção na web. A campanha “Apoio à Memories Pizzaria” foi criada dias depois do fechamento do comércio e, em 48 horas, arrecadou o equivalente a R$ 1,2 milhão.

Em entrevista à Fox News, Crystal disse que, embora não esteja pronta para abrir a pizzaria mais uma vez, ela acredita que Deus é responsável pelo apoio que tem recebido.

“Deus nos abençoou para defender o que acreditamos, e não negar”, disse Crystal.

Além da arrecadação de fundos, dezenas de pessoas acamparam em frente ao local onde funcionava a pizzaria com o argumento de “juntar a comunidade novamente”, como informou o Huffington Post.

“Nós não estamos aqui para condenar ou perdoar os proprietários do estabelecimento. Estamos aqui para mostrar-lhes que podemos dar o amor para as pessoas, apesar de nossas diferenças ", disse a líder do coletivo, Sherry Klinedinst.

Fonte: extra