Poças de água parada representam risco de proliferação do mosquito da Dengue

Ruas sem calçamento e terrenos baldios ajudam a proliferar o mosquito. Preocupação deve ser redobrada, pois o mosquito aedes Aegypti também carrega o vírus da febre chikungunya

O período de chuvas carrega consigo uma preocupação para o piauiense: o risco da dengue. Este ano, a população tem motivo extra para se preocupar, pois o mosquito aedes aegypti também carrega consigo o vírus da febre chikungunya.

A virose tem os mesmos efeitos da dengue, com o agravante de causar fortes dores nas articulações que podem continuar por meses, depois que a febre vai embora.

Mesmo fazendo sua parte, as comunidades de várias zonas da cidade se preocupam com a quantidade de poças d’água espalhadas pelas ruas de Teresina. Local de água parada, estas poças também são o local perfeito para a procriação do mosquito da dengue.

A situação é perceptível em todas as zonas da cidade. Na Vila Irmã Dulce, zona Sul da capital, poças se aglomeram em meio às avenidas e ruas de calçamento. Elas também estão presentes no bairro Ininga, zona Leste, e causam pânico para quem convive entre terrenos baldios e depósitos de água parada.

“Tive dengue ano passado e não tenho dúvidas que o estado de manutenção do bairro está entre os principais responsáveis pelo meu contágio. Moro perto da UFPI e minha casa é cercada por mato, o que já aumenta bastante a quantidade de insetos. Junta isso com a água parada nas ruas que temos a receita para o caos”, reflete a fisioterapeuta Flávia Barreto, que já está amedrontada com a possibilidade de contrair a febre chikungunya.

A febre chikungunya é uma doença viral parecida com a dengue, transmitida no Brasil pelos mosquitos aedes aegypti e o aedes albopictus, focos transmissores da dengue e da febre amarela. Seu ciclo de transmissão é mais rápido do que o da dengue.

Em no máximo sete dias a contar do momento em que foi infectado, o mosquito começa a transmitir o vírus para a população. Por isso, o objetivo é estar atento para bloquear a transmissão tão logo apareçam os primeiros casos.

Ao contrário do que acontece com a dengue, não existe uma forma hemorrágica da doença e é raro surgirem complicações graves. Na fase aguda da chikungunya, a febre é alta, aparece de repente e vem acompanhada de dor de cabeça, fortes dores musculares, coceira na pele, conjuntivite e dor nas articulações.

Esse último é o sintoma mais característico da enfermidade: dor forte nas articulações, tão forte que chega a impedir os movimentos e pode durar meses depois que a febre vai embora.

A Prefeitura de Teresina informa que tem investido em calçamento de diversas ruas e pede que a população ajude na fiscalização da execução dos serviços para evitar que o calçamento seja executado de forma errada. Sobre as ações de combate à dengue, a administração local mantém equipes de agentes comunitários de saúde que percorrem as casas diariamente, prestando orientações para evitar a proliferação do mosquito transmissor da doença.

O órgão tem consciência de que ainda faltam muitas ruas a serem calçadas e que isso se deve, principalmente, pelo crescimento da cidade, que ganha novas ruas e bairros, e avisa que a comunidade pode escolher ações mais urgentes através do orçamento popular.

Clique aqui e curta o Meionorte.com no Facebook

Fonte: OLEGÁRIO BORGES