Polícia quer proibir venda de livro que ensina a ser criminoso

Polícia quer proibir venda de livro que ensina a ser criminoso

Publicação tem capítulos do tipo: “Como roubar um banco” e “como abrir uma fechadura”

Um livro que ensina práticas criminosas está nas prateleiras de livrarias e em lojas online, mas a Polícia Civil do DF quer impedir a venda do produto. A publicação ?O livro maldito? é alvo de uma representação na Justiça para que os exemplares sejam apreendidos no comércio local. O livro tem capítulos que ensinam macetes para criminosos, como assaltar bancos e abordar vítimas armado com uma faca.

Tudo isso em uma linguagem voltada para o público juvenil e com ilustrações de algumas das práticas. O livro é considerado pela polícia como um manual do crime. Na capa, abaixo do título, há a mensagem ?tudo o que precisa saber se não for um Mané?. Um selo, também na capa, diz: ?conteúdo 100% perverso?.

Psicóloga Lívia Borges alerta para a necessidade de um cuidado em relação à literatura.

? Pessoas ingênuas ou carentes podem ir para o lado negativo.

No documento apresentado à Justiça , é apontada uma série de lugares que vendiam o livro. Dias depois, o juiz Francisco Antonio Alves rejeitou o pedido.

A delegada Valéria Martirena é contra a comercialização do livro. Delegada.

? A venda desse livro é um absurdo.

A deputada distrital e presidente da comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa, Celina Leão, há violações criminais no conteúdo do livro e que a Casa irá tomar uma atitude contra o produto.

? Vamos pedir uma representação no Ministério Público F3ederal, pois a publicação é nacional.

No material de divulgação do produto, a editora (Best Seller) diz se tradar do ?resultado bem-humorado de uma pesquisa realizada pelo publicitário Christopher Lee Barish, um curso completo com todas as artimanhas, jogatinas e ilicitudes necessárias para ser considerado um ?homem mau?".

Chama a atenção na publicação partes que trazem descrições de como abrir uma fechadura, assaltar um banco, passar em detector de mentiras, forjar a própria morte, falsificar dinheiro e até contrabandear drogas.

O sociólogo Antônio Flavio Testa considera o livro prejudicial para a formação de jovens e adultos.

? Esse tipo de literatura nem devia entrar no mercado.

O autor é um publicitário chamado Christopher Lee Barish. Ao pesquisar por seu nome na internet, não há informações precisas sobre ele, o que pode ser um indício de que o verdadeiro responsável pelo conteúdo use um codinome.

O conteúdo gera polêmica em vários trechos, como em um que diz sobre ter uma amante para poder bater nela.

Fonte: r7