Delegado diz que vítimas não tinham passagem pela polícia

Quatro pessoas da mesma família foram assassinadas.

Moradores da localidade Bel Monte, no município de Francisco Santos (362km de Teresina), estão assustados com uma chacina ocorrida na noite de ontem, dia 26 de setembro, quando quatro pessoas de uma mesma família, Maria Tereza Ferreira Filha Silva, 50 anos, Fernando Color da Silva, 27 anos, Sivaldo Antônio da Silva, 24 anos, e Anildo Apolinário da Silva, foram mortas a tiros.

Uma das primeiras linhas de investigação para elucidar a chacina aponta que uma das vítimas, Anildo Apolinário da Silva, poderia ser o único alvo da execução. Anildo havia chegado recentemente do município de Jaicós para trabalhar na propriedade da família. Ele era sobrinho do casal. Os primeiros indícios que levam a crer que ele seria o alvo dos matadores são a forma como foi morto e a ficha com passagens anteriores pela polícia.

“Por ele ter passagem pela polícia, por ser uma pessoa que vivia de cometer o crime, apesar de ser uma pessoa tida como trabalhadora na agricultura, mas constantemente vivia na região de Jaicós cometendo crime, possivelmente ele seria a pessoa procurada pelos matadores”, afirmou o tenente Elias de Sousa, relações públicas do 4º BPM de Picos.

Três das vítimas foram executadas com um único tiro na cabeça, já Anildo foi morto com pelo menos quatro disparos. “Todos os outros foram assassinados com um único tiro. Anildo foi assassinado com um tiro no rosto, outro na cabeça, um no peito e outro nas costas. [O que] Leva a crer que Anildo era a caça das pessoas que vieram para assassinar e as outras entraram como queima de arquivo. Isso é uma suposição que levantamos no momento”, explica o relações públicas.

Ainda de acordo com o tenente Elias, a polícia está cercando a região para tentar encurralar os responsáveis pelo crime. Os investigadores acreditam que os executores tenham chegado ao local em uma motocicleta.

“Havia rastros de motos. Não tinha rastros de carro no local, só rastros de motos. A gente faz um cálculo que eram em número de dois, porque uma pessoa sozinha não era possível fazer um estrago daqueles na vida de uma pessoa”, acrescenta o tenente.

Delegado diz que vítimas não tinham passagem

O delegado Willame Moraes, gerente de policiamento do interior, afirma que as vítimas não tinham passagem pela polícia.  “Até agora nós temos apenas um Boletim de Ocorrência do sobrinho [Anildo Apolinário] que perdeu documentos. Nós não encontramos nenhuma passagem pela polícia, nem antecedentes criminais das vítimas e por isso uma intensificação maior na coleta de informação. Nós pedimos, inclusive, que a população também colabore com informações”, afirmou.

Segundo o delegado, o crime foi praticado por mais de uma pessoa. "Pela quantidade de vítimas, no caso quatro pessoas, é muito difícil que o executor seja apenas uma pessoa.  Nós trabalhamos com mais de uma pessoa na cena desse crime hediondo", acrescentou.

O crime

Quatro pessoas da mesma família foram assassinadas com tiros na cabeça em Francisco Santos. O crime, segundo informações da Polícia Militar, ocorreu por volta das 20h30 de segunda-feira (26), na comunidade Bel Monte 3, região da Serra da Areia Branca.

As vítimas foram identificadas como Maria Tereza Ferreira Filha Silva, 50 anos, Fernando Color da Silva, 27 anos, Sivaldo Antônio da Silva, 24 anos, e Anildo Apolinário da Silva. 

Uma mãe, os dois filhos e o sobrinho foram executados, o pai estava ausente, acompanhando um movimento político no Quilômetro 87, no mesmo município. Vizinhos teriam escutado os disparos, mas pensaram se tratar do barulho de motocicletas. A casa mais próxima ao local do crime, segundo a PM, fica distante pelo menos 200 metros.



 

Fonte: Portal Meio Norte