Criança de 4 anos é estuprada pelo próprio tio e contrai gonorréia; mãe sabia dos abusos

Na tarde desta quarta-feira (1º), a dupla foi apresentada pela Polícia Civil durante coletiva de imprensa, realizada após a conclusão da investigação


Uma mulher e um homem, mãe e tio de uma menina de quatro anos, foram presos em Ituiutaba, preventivamente, suspeitos de estuprar uma criança e contaminá-la com uma bactéria causadora da gonorreia.

Na tarde desta quarta-feira (1º), a dupla foi apresentada pela Polícia Civil durante coletiva de imprensa, realizada após a conclusão da investigação - que foi iniciada em dezembro, e deferimento judicial do pedido das prisões preventivas. A mãe da menina também é suspeita de envolvimento no crime, pois há indícios de que sabia da situação.

Segundo a delegada Alessandra Rodrigues da Cunha, a investigação foi iniciada após a criança ter sido diagnosticada com a Doença Sexualmente Transmissível (DST) no fim do ano passado. A delegada contou que assim que a garota conseguiu relatar o ocorrido, acusou o tio da prática sexual contínua. “A menina de quatro anos foi contaminada pela bactéria da gonorreia, isso foi o que motivou o começo da investigação. De acordo com os médicos, a doença só poderia ser transmitida por ejaculação do agressor ou contato sexual. A menina estava bastante traumatizada e não falava sobre o assunto. Depois de um tempo ela disse que o tio tirava ela do berço para cometer os abusos”, relatou Cunha.

Pouco depois, a investigação também se voltou contra a mãe, irmã do suspeito, já que a investigação indicava que ela saberia dos abusos. De acordo com a delegada, a mãe disse que ouvia gemidos da filha e do irmão, mas não tomava atitude na tentativa de efetuar o flagrante e não ter invadida a intimidade com o atual companheiro.

“Suspeitamos de conivência da mãe, que depois de dizer várias vezes que não sabia de nada, resolveu dizer a verdade. Ela falou que por várias noites ouviu os gritos de dor da menina e de prazer por parte do tio. Ela falava que não levantava para ir ao quarto porque sabia que ele iria parar e tentava pegar ele no flagra. Ela disse que todas as noites a criança pedia para dormir com ela, mas não deixava e trancava a porta para ter intimidade com o atual companheiro, mesmo sabendo que a filha estava sendo abusada pelo tio. Depois que terminava os abusos, a criança ficava chorando e ela deitava na cama e ia dormir”, acrescentou. A mãe e o irmão foram encaminhados para o presídio de Ituiutaba e devem responder pelo crime de estupro de vulnerável, cuja pena varia de oito a 15 anos de reclusão. No caso da mãe, a pena pode ser agravada pelo grau de parentesco com a vítima.

Outra filha

A Polícia Civil ainda suspeita de abuso a outra filha de dois anos, que dormia no mesmo berço que a garota abusada. A delegada destacou a barbaridade do crime e a importância de denúncias. “A filha de dois anos não fala, mas ela dormia no mesmo berço que a irmã. Então, suspeitamos que ela foi vítima, mesmo que não tenha sido contaminada com gonorreia. Foi o caso mais pesado da minha vida profissional. É muito importante que vizinhos, familiares e professores cheguem à polícia e relatem qualquer suspeita, só assim podemos evitar mais crianças abusadas e traumatizadas”, concluiu.

A criança de quatro anos foi encaminhada para viver com a madrinha em outra cidade, onde realizará tratamento médico. A irmã de dois anos ficou sob a guarda de uma tia. A dupla detida já foi encaminhada para o presídio de Ituiutaba.

Fonte: G1