Moradores reclamam da insegurança e lixo no Conjunto João Emílio Falcão

Mesmo com a coleta de lixo feita normalmente nos dias previstos, a sujeira toma conta de todo o entorno do conjunto

A sensação de insegurança, o excesso de mato e o lixo acumulado nas ruas são algumas das reclamações dos moradores do Conjunto João Emílio Falcão, um dos bairros mais antigos da zona Sul da cidade. Mesmo com a coleta de lixo feita normalmente nos dias previstos, a sujeira toma conta de todo o entorno do conjunto.

A praça, que deveria servir como espaço de lazer para os moradores, tem lixo acumulado e ainda outros problemas que causam revolta na população. Segundo Lázaro Lemos, que reside no bairro há 19 anos, a prefeitura fez a poda das árvores da praça, deixou todos os galhos no chão e ainda não teve a preocupação de retirar o mato que existe no local.

“A prefeitura vem. Às vezes eles cortam o mato, outras vezes não. Desta vez, por exemplo, cortaram apenas os galhos das árvores e deixaram aqui, espalhados na praça”, reclama o morador. De acordo com ele, a praça necessita, com urgência, de uma reforma. “A última reforma feita tem mais de 15 anos. Hoje o que temos são os bancos e toda a parte da quadra de esportes quebrados. A iluminação está precária e o mato por cima. Não tem quem consiga ficar aqui”, completa.

Além da praça, o lixo pode ser facilmente encontrado nas ruas do João Emílio Falcão. “Os carroceiros jogam esses materiais aqui. Sempre quando a situação está fora de controle chamamos a prefeitura. Como ela não vem de imediato, o lixo vai acumulando”, comenta Lázaro.

INSEGURANÇA - Os inúmeros casos de roubos no bairro também têm causado um clima de tensão na população. Em menos de um mês, já houve dois arrastões na parada final dos ônibus que fazem linha para o bairro.

Lázaro Lemos lamenta morar atrás do Quartel da Polícia Militar e não ter segurança alguma. “Um vizinho meu já comprou celular três vezes, porque sempre é assaltado, todas as vezes de dia”, declara.

Clique aqui e curta o Meionorte.com no Facebook

Fonte: Aline Damasceno