Prefeitura alerta população para intensificar combate à dengue

A população de 18 bairros da capital deve redobrar a atenção, pois concentram o maior número de casos da doença.

?Ações de combate à dengue devem ser realizadas todos os dias?, alerta o Ministério da Saúde por meio de programa nacional de controle da doença, que é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Em Teresina, o trabalho de combate aos focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, se intensifica nestes primeiros meses do ano, mesmo com significativa redução no número de casos em relação a 2009.

Conforme último boletim epidemiológico divulgado pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) da Prefeitura de Teresina, 127 casos foram registrados este ano contra 313 no mesmo período de 2009. ?Mas isso se deve justamente às ações de controle assimiladas pela população, atendendo ao chamamento da Fundação Municipal de Saúde para entrar na batalha contra o mosquito Aedes aegypti, e esses números não significam que ganhamos essa guerra, pelo contrário, devemos intensificar essa luta?, enfatiza a coordenadora de Ações Assistenciais da FMS, Amariles Borba.

A população de 18 bairros da capital deve redobrar a atenção, pois concentram o maior número de casos da doença. São eles: Promorar, Renascença, Memorare, Todos os Santos, São Joaquim, Novo Horizonte, São João, Mocambinho, Nova Brasília, Pedra Mole, Lourival Parente, Parque Piauí, Angelim, Gurupi, Buenos Aires, Monte Castelo, Alvorada e São Pedro. A Prefeitura vem realizando sistematicamente arrastões, em parceria com as comunidades, para eliminar possíveis focos do Aedes aegypti, além das ações das equipes de endemias e de saúde da família.

?Mas há uma grande quantidade de mosquito circulando por toda a cidade, significando que qualquer comunidade pode entrar na lista, por isso devemos evitar situações que possam favorecer a sua proliferação, principalmente eliminando objetos que acumulem água, vedando bem os recipientes que são utilizados para guardar a água, além de cuidar da limpeza do seu ambiente e verificar se o seu vizinho está tomando os mesmos cuidados?, ensina a coordenadora.

PARTICIPAÇÃO

Amariles Borba compreende que o combate ao Aedes aegypti não é uma tarefa tão simples se for executada somente pelo poder público. ?Tem que haver a participação de toda a população, de todas as classes sociais, porque o mosquito se reproduz em qualquer lugar ou recipiente que acumule água, como, por exemplo, poças d?água, caixas-d"água, barris, tambores, vidros, potes, pratos e vasos de plantas ou flores, tanques, cisternas, garrafas, latas, pneus, panelas, calhas de telhados, bandejas, bacias, aquários, drenos de escoamento, canaletas, blocos de cimento, urnas de cemitério, folhas de plantas, tocos e bambus, buracos de árvores e muitos outros onde a água da chuva é coletada ou armazenada?, explica.

O Ministério da Saúde recomenda algumas medidas para a eliminação dos locais de reprodução do mosquito, tais como tampar os grandes depósitos de água, pois a boa vedação de tampas em recipientes, como caixas-d"água, tanques, poços e fossas, impedirão que os mosquitos depositem seus ovos. Esses locais, se não forem bem vedados, permitirão a fácil entrada e saída de mosquitos.

O acúmulo de lixo e de detritos em volta das casas pode servir como meio de coleta de água de chuva. Portanto, as pessoas devem evitar tal ocorrência e solicitar sua remoção pelo serviço de limpeza pública. Outra medida é limpar os recipientes de água, pois não basta apenas trocar a água do vaso de planta ou usar um produto para esterilizar a água, como a água sanitária. É preciso lavar as laterais e as bordas do recipiente com bucha, pois nesses locais os ovos eclodem e se transformam em larvas.

Fonte: PMT