Prefeitura investe na assistência de qualidade às gestantes de THE

pré-natal das gestantes deve ter início na UBS.

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) está distribuindo cartilhas que explicam às gestantes, familiares e profissionais de saúde sobre o Plano de Vinculação da Gestante de Teresina. O material servirá como base de orientação sobre quais ações devem ser realizadas para garantir o acesso da gestante desde o pré-natal até a maternidade onde será feito o parto.

“O Plano de Vinculação da Gestante, que está explicado no material distribuído, esclarece sobre o acolhimento à gestante no pré-natal, parto e pós-parto, evitando, assim, a peregrinação da gestante e assegurando-lhe uma maternidade de referência logo na primeira consulta de pré-natal”, disse Smithanny Barros, gerente de Atenção Básica da FMS.

Uma cartilha do acompanhante e um material que analisa a idade gestacional também serão distribuídos aos profissionais de saúde das Unidades Básicas de Saúde (UBS), para que estes fiquem ainda mais esclarecidos sobre a importância do acompanhante durante o pré-natal e parto da gestante e sobre a idade gestacional da grávida.

O pré-natal das gestantes deve ter início na UBS mais próxima de sua residência. Lá a gestante vai ter consultas garantidas e encaminhamentos de exames que devem ser realizados. Além, também, de ter disponível o curso sobre gravidez, abertura de prontuário, preenchimento da caderneta da gestante, classificação de risco e organização da visita da gestante à maternidade onde realizará o parto.

“Todas as ações realizadas pelo setor de saúde, seja municipal ou estadual, devem ser integradas para que a gestante tenha uma assistência de boa qualidade, assim como o recém-nascido. A intenção também é evitar óbitos maternos e infantis”, falou Smithanny Barros.

Em dois anos, a FMS registrou a redução da mortalidade materna em 72,5%. Dados indicam que Teresina passou de 13 óbitos maternos em 2012, para três em 2014. A diminuição é um reflexo de uma série de ações que acontecem na atenção básica de saúde. No entanto, ainda preocupam os índices de mortalidade neonatal na capital.

Fonte: Assessoria