Prêmio Piauí Inclusão Social 2013: Ceapi doa 4 mil kg de alimentos por mês em THE

Prêmio Piauí Inclusão Social 2013: Ceapi doa 4 mil kg de alimentos por mês em THE

Criado há 10 anos, o programa Mesa Brasil vem coletando frutas e legumes doados pelos permissionários da Ceapi para doar a entidades beneficentes

Em meio à rotina de movimentação de consumidores e permissionários da Central de Abastecimento do Piauí (Ceapi), na zona Sul de Teresina, um trabalho muito especial desenrola-se.

Devidamente identificado, um servidor percorre a enorme área do complexo de galpões em busca de produtos doados pelos comerciantes. No meio da manhã, o carrinho já está praticamente cheio. Os produtos são variados: banana, manga, laranja, mamão, goiaba, abacate, entre outros. Tudo com um só objetivo: o da solidariedade.

O Mesa Voluntária é um programa de distribuição de alimentos para entidades beneficentes de Teresina que foi criado em 2003. Uma equipe da Ceapi arrecada frutas, verduras e legumes doados pelos permissionários.

Depois de ser recolhidos nos boxes e nas bancas, os produtos são selecionados na sede do programa e repassados para o Mesa Brasil Sesc - PI que é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui os alimentos para a população carente. Por mês, são doadas cerca de 4.000 quilos de alimentos.

Vendo os números, é possível ter uma dimensão da importância do trabalho da equipe do programa, composta por quatro pessoas: os produtos sem valor comercial, mas próprios para consumo, beneficiam, direta e indiretamente, cerca de 135 instituições como creches, asilos e casas de abrigo, atendendo ao todo 14.972 pessoas.

O voluntário Wilton Alves conta os detalhes desse trabalho que, hoje, já está plenamente integrado às atividades da Ceapi. ?Eu chego à banca (ou box), me identifico, explico que é um trabalho voluntário, e as pessoas colaboram.

Anoto todas as doações em uma prancheta. Para mim, é muito bom realizar esse trabalho. Sinto-me um instrumento de Deus?, conta o rapaz.

E Wilton ainda aconselha: ?Esse é um trabalho importante, que ajuda muitas pessoas, e que precisa ser feito com alegria. Se for para ir desanimado, é melhor nem começar. E graças a Deus todos os dias eu volto com o carrinho cheio?. É com esse espírito que o rapaz desempenha seu papel como voluntário do Mesa.

"Essa ação simples leva alegria a muita gente"

A coordenadora do projeto, Patrícia Rocha, faz questão de acompanhar todas as fases do trabalho - desde a coleta dos produtos nos galpões até a entre nas entidades e instituições contempladas, orientando a equipe de forma a otimizar os resultados.

Patrícia explica que "o objetivo do programa é sensibilizar os permissionários para que doem o que não vão mais comercializar, e que pode ser aproveitado para alimentar a quem está precisando".

Ainda de acordo com a coordenadora, o momento mais recompensador de todo esse serviço solidário é justamente a hora em que as mercadorias chegam ao destino final - as instituições selecionadas pelo Mesa Voluntária.

"Para os permissionários e para nós, esses produtos podem não ter mais muito valor, mas quando eles chegam às entidades, é uma verdadeira festa. Essa ação leva alegria a muita gente", complementou.

Permissionários praticam boa ação e evitam desperdício

A Ceapi é grande, mas o coração dos permissionários é maior. A certeza disso vem a cada coleta do Mesa Voluntária. São muitos os comerciantes que, de forma espontânea, participam desta corrente de solidariedade que já dura seis anos. É como diz o Wilton, que tem a incumbência de coletar as frutas e verduras doadas: ?Nós temos os nossos parceiros, aqueles que sempre doam?.

Dona Sebastiana da Silva é uma dessas pessoas. Ela comercializa bananas na central e, sempre que pode, contribui com o projeto. ?Eu me sinto completa. Graças a Deus tenho a oportunidade de ajudar a quem mais precisa.

Sabemos da quantidade de pessoas necessitadas que temos na nossa cidade e no Estado, e poder ajudar é muito bom?, disse ela.

O produtor e comerciante de bananas José Luís Moraes também sente orgulho por fazer parte do Mesa Voluntária.

?Trabalhamos com o sentido do melhor aproveitamento de tudo. E o Mesa Voluntária acaba nos ajudando nisso.

Evitamos o desperdício e, ao mesmo tempo, doamos alimento para quem precisa. Esperamos que esses produtos sejam aproveitados da melhor forma possível pelas entidades que recebem, e que todos possam fazer um bom lanche com esses produtos? NÚMEROS - A Ceapi comercializou, no mês de junho, 30.928 quilos de produtos, segundo o levantamento realizado pela Diretoria Técnica e Operacional do órgão.

Frutas nacionais e importadas, verduras, legumes, ovos, cereais, pescado e aves formam os grupos de produtos analisados mensalmente pelo setor de estatísticas do órgão. O grupo que mais movimentou o mercado no mês de junho, de acordo com a pesquisa, foi o das Frutas Nacionais.

Fazenda da Paz é uma das instituições beneficiadas

Verdadeira referência no tratamento de dependentes químicos no Estado, a Fazenda da Paz é uma das entidades beneficiadas com a iniciativa da Ceapi. Acompanhamos uma visita da equipe da comunidade terapêutica à Ceapi, para mais uma coleta de frutas e legumes doados pelo projeto Mesa Voluntária.

A kombi da Fazenda da Paz estaciona ao lado da sede do projeto, que fica nas adjacências da administração da Central de Abastecimento. Rapidamente, um servidor da instituição coleta os caixotes de frutas (com a ajuda do abnegado Wilton Alves) e acomoda os produtos no interior do veículo.

Pronto: está encaminhada mais uma alimentação saudável para os internos da entidade, que mantém três unidades, atendendo ao todo 160 internos do sexo masculino.

A assistente social da comunidade terapêutica, Suene Neves, acompanhou mais uma coleta de doações na Ceapi. "A Fazenda da Paz só tem a agradecer.

Doações como essa engrandecem nosso trabalho, e possibilitam que continuemos a ajudar nosso público. Estamos de portas abertas para continuar recebendo doações do Mesa Voluntária e também de outras pessoas que se disponibilizarem a contribuir com a nossa comunidade", disse ela.

















Fonte: Dowglas Lima