Prêmio Piauí Inclusão Social 2013: Empresa faz aposta no primeiro emprego em Oeiras

Prêmio Piauí Inclusão Social 2013: Empresa faz aposta no primeiro emprego em Oeiras

As oportunidades de emprego dadas a jovens sem perspectiva de trabalho, pela falta de experiência, modificam toda a estrutura familiar

A juventude é o futuro do Brasil e do mundo. Esse jargão, utilizado em discursos políticos, em trabalhos técnicos e mesmo nas rodas informais de conversas, retrata a pura verdade.

É a ousadia, a coragem, a criatividade, a modernidade e o preparo dos jovens, que se valendo das experiências e das descobertas das gerações passadas, constituirão um futuro cada vez melhor. Porém, a palavra que é a chave para o sucesso da proatividade juvenil é oportunidade.

Só que oportunidade à saúde de qualidade, à educação que realmente forme para as exigências do mundo atual, oportunidade de emprego, de viver e atuar dignamente na sociedade não vem para todos.

E os que não têm, sequer, uma oportunidade de emprego e de melhoria de vida, ficam desolados e a espera que algo ou alguém lhe estenda a mão.

Enquanto esperam, dificilmente as histórias de vida apresentam saldos positivos. No entanto, graças a iniciativa de pessoas que pensam em ajudar o próximo, vidas podem ser transformadas.

Um exemplo de atitude desse tipo é a que teve a Empresa Casa do Frango, localizada no município de Oeiras, no sul do Piauí. Há mais de vinte anos, a empresa trabalha diariamente na inclusão de jovens sem experiência no mercado, proporcionando a oportunidade do primeiro emprego, enquanto a maioria das empresas exige experiência anterior.

As atividades da Casa do Frango tiveram início com comércio varejista que vendia frangos abatidos e ovos. Na verdade, a história da empresa, como conta um dos proprietários, Miguel José da Cunha Neto Machado, é um exemplo de superação e determinação empreendedora dele e de sua esposa, Lindalva Elisa Ries Barroso Machado.

?Eu era funcionário de um banco, mas ele fechou e fiquei desempregado. Em dezembro de 1990, após três meses parado, procurei meu irmão para pegar frangos que ele produzia para revender, logo porque vi a carência da cidade de Oeiras nesse ramo?, coloca.

Depois de mudarem o endereço do estabelecimento de uma região habitacional para uma região comercial da cidade de Oeiras um considerável aumento nas vendas proporcionou aos empresários a formalização do seu empreendimento.

A partir daí foram acrescidos mais produtos, dando sempre prioridade aos alimentos, produtos de primeira necessidade e também frios, pois a população não tinha acesso a esse tipo de produto.

Assim, a empresa foi conquistando o mercado local, o que possibilitou a expansão para o atacado, tornando-a um referencial do setor em nível de estado.

Foi nesse exato momento, na hora da contratação de funcionários que a iniciativa de inclusão da empresa começou a aparecer. A cidade de Oeiras, segundo o empresário Miguel Machado, ainda é pobre, até porque está localizada no semiárido piauiense.

?A população é carente de emprego e renda. Então, começamos a selecionar pessoas que não possuíam nenhuma perspectiva de vida?, coloca ao contar a história de um jovem, que não trabalha mais no local, mas que teve a vida transformada por conta da oportunidade que recebeu.

?Ele vendia pastéis e dindin. Um certo dia convidei-o para trabalhar conosco. Ele só tinha 12 anos e entrou como menor aprendiz. Com o passar do tempo se tornou um dos melhores vendedores?, lembra.

Primeiro emprego pôde ser conciliado com os estudos

Francisco Lustosa, de 29 anos, foi um dos jovens que tiveram a oportunidade do primeiro emprego, mesmo sem ter experiência alguma. Ele, que trabalhou na roça e na feira da cidade, conta que teve sua vida e de sua família modificadas após se fichar no emprego.

Aos 18 anos, Francisco resolveu ir para a cidade de Oeiras para continuar os estudos. Ele havia parado na quinta-série. "Me lembro como se fosse hoje. Em 2004 eu trabalhava na feira e vivia mais viajando.

Não parava em casa, por isso não terminei os estudos naquela época", coloca ao lembrar o dia em que resolveu colocar o seu currículo na empresa, mesmo sem ter experiência.

"Não tinha muita fé que iria conseguir o emprego, mas deu certo. Coloquei o currículo, participei da seleção e fui contratado. Hoje trabalho na empresa como balconista e sou realizado com meu emprego", declara ao comentar que atualmente leva uma vida digna com sua esposa, mãe e sua irmã. "Na feira tirava pouco, menos que R$ 600,00. Na Casa do Frango recebo mais que isso e ainda gratificações", acrescenta.

O jovem retomou os estudos e hoje está prestes a se formar, estando no 8º período de seu curso, na Universidade Estadual do Piauí (UESPI), no campus de Oeiras. Além disso, ele participa de vários cursos de capacitação que a empresa oferece. "O emprego me possibilitou ainda a volta aos estudos.

Hoje eu tenho um tempo adequado para tudo. Passo o dia na empresa trabalhando e estudo durante a noite. Além disso, tenho tempo para diversão com a família aos finais de semana", finaliza.

Mudança acontece em família

Elton Veloso e sua mãe Emília Veloso também receberam uma oportunidade de melhoria de vida. A mãe de Elton estava desempregada, separada e com o filho para criar. Ela conta que vivia de diárias e o pai de seu filho já não ajudava nas despesas, e por isso resolveu procurar ajuda.

?Conversei com Lindalva, esposa do Miguel, numa sexta-feira e ela me disse: Não precisa de currículo, venha segunda-feira para começar a trabalhar, e nisso já vai fazer 8 anos que estou aqui?, relembra ela, que trabalha no setor de serviços gerais da Casa do Frango, fazendo a distribuição da comida.

?Trabalho com amor e dedicação, como forma de retribuir a oportunidade que eles me deram. Além disso, percebo a mudança que eles ajudam a fazer na vida de outras pessoas, através da geração de empregos. Isso é gratificante?, diz.

Outro grande presente dado a Emília foi a oferta de emprego para o seu filho Elton. O garoto, que não tinha nenhuma perspectiva, é mais um dos empregados da empresa e que são eternamente agradecidos pela oportunidade que lhes foi dada.

?Foi a primeira vez que trabalhei, e agradeço muito a eles por tudo que fizeram por mim e pela minha mãe?, ressalta, ao destacar as melhorias ocorridas na família depois do emprego.

?Melhorou tudo. Nós morávamos longe de Oeiras, na roça, e eles compraram uma casa e deram pra gente morar. Isso tudo sem falar na nossa condição financeira, que hoje é totalmente diferente?, fala.

Centro vai aumentar em 50% o número de empregos na região

Atualmente, a Empresa Casa do Frango está em um momento decisivo, como conta o empresário Miguel Machado.

Ele resolveu investir em um Centro de Distribuição da Casa do Frango, localizado à margem da BR-230, em Oeiras-PI, que está em fase de acabamento.

A obra, quando finalizada, deve gerar ainda mais emprego para a população de Oeiras e de cidades vizinhas. "Vamos ter um aumento de 50% de empregos para a cidade", afirma o empresário Miguel Machado, que acompanha o andamento da obra diariamente, destaca que o Centro deve ser inaugurado ainda em 2013. "A previsão do término da construção e inauguração do Centro de Distribuição é ainda para este ano.

Esperamos concluir dentro do prazo planejado e realizarmos nossa inauguração para que possamos colocar em prática o aumento de nossa atuação, alcançando novos mercados e ainda oferecendo mais oportunidade aos oeirenses", disse.

Mostrando sua preocupação não apenas com o econômico, mas também com o social e com o meio ambiente, a Casa do Frango veio implementar pequenas e grandes ações em prol do meio ambiente.

A empresa solicitou do engenheiro a elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Além disso, o Centro contará ainda com um espaço para a realização da coleta seletiva do lixo, o que já acontece no depósito da empresa.

"Quando contratamos um especialista em segurança no trabalho e ambiental para estar conosco trabalhando é porque somos uma empresa preocupada com as normas exigidas, bem como com os impactos ao meio ambiente. É preciso vivenciar sustentabilidade nas empresas", acrescentou o empresário Miguel Machado.

Empresa contribui para o desenvolvimento das cidades

Em 1994, após perceber a necessidade da cidade em ter um negócio como esse, Miguel construiu sua empresa e passou a atuar com o setor de frios e atacado.

Nisso, ele foi tendo uma percepção de crescimento e no ano de 2000 fortaleceu ainda mais o atacado e o varejo, abrindo rotas para aumentar o raio de atuação e, assim, promover a melhora na vida das pessoas.

"Fui expandindo e chegando a outras cidades do Sul do Estado e fiz parcerias com grandes marcas da indústria frigorífica. Acredito que essa atitude reflete muito no desenvolvimento dessas localidades.

Levar esses produtos a cidades distantes e atingidas pela seca é, sem dúvida, uma iniciativa que tem impactos positivos no que se refere ao crescimento desses municípios e, em consequência disso, na vida das pessoas que ali vivem", frisa.

Hoje a Casa do Frango atende mais de cem cidades e tem sua marca consolidada e reconhecida como uma empresa transparente que se preocupa tanto com a qualidade de seus produtos, quanto com seus serviços, apostando e investindo em tecnologia e higiene, além de estar atenta às questões ambientais e responsabilidade social. Este ano, a empresa celebra, com todos os clientes, colaboradores e com a comunidade à qual está inserida, 23 anos de sucesso.















Fonte: Aline Damasceno