PRF realiza estudo na BR-343, mas DNIT desconhece privatização

Segundo Loyola, o resultado irá subsidiar as decisões envolvendo o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

ACOMPANHE A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DE SÁBADO (17/05) DO JORNAL MEIO NORTE.

O plano de privatização da BR-343 que postula a implantação de um pedágio no trecho que liga a capital ao litoral do Estado ainda é uma incógnita. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), através do chefe de serviços Ismar Portela revelou que não há confirmação alguma sobre a virtuosa especulação. Nesta sexta-feira (16/05), o inspetor da Polícia Rodoviária Federal (PRF) Fabrício Loyola, apontou para uma pesquisa em sete pontos da BR no Piauí, porém creditou a análise à avaliação do Governo Federal sobre as obras necessárias na região.

Segundo Loyola, o resultado irá subsidiar as decisões envolvendo o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). ?Foram analisados 300 pontos em todo o país, começamos por Teresina, Picos e Piripiri, foi uma pesquisa tanto volumétrica, como para traçar o perfil do usuário. Com a obtenção desses dados, os entregaremos ao Governo, para que sejam utilizados da melhor forma possível?, conta. O inspetor vislumbra que o órgão não entra nesse mérito. ?Não podemos confirmar ou negar a privatização, isso não adentra muito no mérito da PRF?, impõe.

Os boatos que surgem veementemente também são combatidos por Portela. ?Nós do DNIT no Piauí não temos qualquer conhecimento sobre essa questão da privatização, não sabemos mesmo?, pontua. A questão ainda diverge para o fato de que não veio uma confirmação ou comunicado de Brasília. ?Não existe uma informação oficial?, completa.

Fonte: Francy Teixeira