Primeiros 30 segundos da entrevista de emprego são mais importantes

Seja positivo e vá direto ao ponto. Não fale demais

O coração acelera e você se vê gaguejando, tremendo e pensando apenas em agradar. Não, não se trata de um primeiro encontro, mas sim de uma entrevista de trabalho.

De acordo com Adam Seabrook, consultor em recursos humanos, executivos tendem a concordar que os primeiros 30 segundos da entrevista são os mais importantes para deixar uma boa impressão.

Pode ser tentador pensar que o charme natural é suficiente para conquistar a simpatia do recrutador. Mas há alguns erros que muitas pessoas cometem e que podem acabar com suas aspirações para aquele emprego.

Deixar uma boa impressão é algo que começa antes mesmo de entrar na sala do entrevistador. “É muito importante ser gentil com todos na empresa”, recomenda Seabrook. “Tenho um cliente que sempre pergunta à recepcionista sobre o comportamento dos candidatos na chegada e na sala de espera. Dependendo da resposta dela, aquele candidato perdia vários pontos no processo de seleção.”

Já Mira Zaslove é da opinião de que a maneira como a pessoa se apresenta na entrevista é fundamental. “Seja positivo e vá direto ao ponto. Não fale demais”, avisa.

Para ela, o melhor é “customizar” sua apresentação de acordo com o perfil da empresa e dos entrevistadores: destaque momentos importantes de sua carreira, fale sobre seus interesses, suas realizações, sua formação e até seus hobbies.

“Concentre-se naquilo que é diretamente relevante para a vaga à qual está se candidatando e para a pessoa que está recrutando”, afirma Zaslove. “A entrevista não é para você mostrar o quanto é inteligente ou incrível. É para convencer a empresa que você é perfeito para aquele emprego.”

A especialista lembra ainda que muitos recrutadores não conseguem prestar atenção à mesma coisa por muitos minutos. Por isso, use seu tempo da melhor maneira possível.

Image title

Mantenha o senso de humor

Chris Lynam acredita que a melhor maneira de se apresentar é agindo “como uma pessoa normal”. “As empresas querem que seus funcionários sejam profissionais, mas não robôs”, diz.

Lynam cita um exemplo ocorrido quando estava recrutando para sua empresa: “Uma moça chamada Fatima se apresentou para a entrevista. Perguntei a ela: ‘Como se pronuncia o seu nome? Fah-tima ou Fa-tee-ma?’. E ela respondeu: ‘De qualquer jeito. Você pode até me chamar de Fatty (que também pode significar ‘gordinha’, em inglês). Achei muito engraçado e pensei: ‘já está contratada’”, conta. “E assim foi.”

Números à mão

Mesmo que você considere que não tem grandes aspectos de sua carreira para destacar, é crucial demonstrar que possui os mínimos requisitos para a vaga.

“Tenha à mão números que ajudem a mostrar as melhorias que você ajudou a empreender em seu último emprego, como um aumento da percentagem de vendas ou outros dados relevantes”, recomenda Valerie Cooper.

“Se você não souber essas informações, procure pesquisar para poder apresentá-las. É algo essencial para a mobilidade de sua carreira”, afirma a especialista.

Relaxe e seja você mesmo

É claro que muitas vezes não é fácil apresentar as conquistas dos empregos anteriores, principalmente se você está em início de carreira.

“Para cargos de nível júnior, a empresa quer encontrar alguém que agregue valor”, explica Kaitlyn Hanrahan. “Concentre-se em passar uma imagem de alguém entusiasmado, esperto e jovial.”

“Em teoria, se você conseguiu chegar até a entrevista, tem condições de realizar o trabalho. É só uma questão de encontrar a pessoa que mais se aproxima da cultura da empresa”, conclui.

Fonte: Com informações da BBC Brasil