Professor é agredido em sala de aula após repreensão a aluno

Polícia investiga denúncia de que, após retirar aluno da classe por indisciplina, acabou espancado pela mãe, irmão e amigo do jovem.

Depois de repreender seu aluno por ato de indisciplina, um professor de Matemática foi agredido dentro da sala de aula supostamente por parentes do adolescente.


Professor é agredido em sala de aula após repreensão a aluno

Ramon Ricardo Ribeiro, 43 anos, teria sido ameaçado de morte após o caso, que aconteceu no dia 29 de setembro. Ele pediu a transferência do Ciep Estadual Raul Seixas, em Costa Barros e o caso está sendo investigado pela polícia e pela Secretaria de Educação.

Segundo Ramon, a confusão começou após ele retirar de sala um aluno de 17 anos, de turma noturna do Ensino Médio. O adolescente procurou a secretaria da escola, para dizer ter sido chamado de ?burro?, e foi para casa.

Conforme relato do professor, o estudante voltou à escola 15 minutos depois, acompanhado da mãe, irmão e amigo. A mãe teria dado tapa no rosto dele, que reagiu dando outro no rosto dela.

Nesse momento, segundo o professor, o aluno e os outros dois começaram a agredi-lo com socos e chutes. A confusão só terminou com a interferência de outros alunos.

?Registrei o caso para que tomassem providências em relação à segurança dos profissionais da escola. Não quero mais trabalhar lá. Estou tentando a transferência, mas isso não é o bastante. Precisam tomar providências para por segurança. As pessoas não podem entrar na escola e agredir um professor com facilidade?, reclamou.

Ele trabalha na escola estadual há dez anos e conta que o processo de transferência está em andamento. Ele contou ainda que ele e outro professor que o ajudou teria sido vítima de ameaças.

Secretaria apura o caso

A confusão está sendo apurada pela Secretaria Estadual de Educação, e os envolvidos, sendo chamados para prestar esclarecimentos. A direção da unidade informou que o Ciep possui câmeras e que se trata de um caso isolado. A 39ª DP (Pavuna) investiga como lesão corporal e ameaça.

O professor fez exame de corpo de delito e diz que sua revolta não é contra a família, mas com a falta de estrutura na escola.

Fonte: ODIAONLINE