Professores da Uespi decidem entrar em greve

Professores da Uespi decidem entrar em greve

Dentre as reivindicações, os professores querem melhoria estrutural para os 52 campi da Uespi.

Os professores da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) deflagraram greve por tempo indeterminado, nessa segunda-feira, durante Assembléia Geral da categoria. A maioria dos professores votou pela paralisação, que deverá ter início nesta quinta-feira, após passadas as 72 horas estabelecidas pela lei.

?Temos que respeitar as 72 horas, que é o período que informaremos à Reitoria e ao Governo do Estado?, disse a diretora financeira da Associação dos Docentes da Uespi, Lina Maria Santana. Segundo ela, durante todo o período, que foi reservado para negociações, o governo do estado não apresentou nenhuma proposta à categoria. ?Diante disso, não temos como não parar, e ficaremos em greve até haver uma negociação por parte do governo?, completou.

Dentre as reivindicação, os professores querem melhoria estrutural para os 52 campi da Uespi, realização de concurso público para contratação de professores efetivos e técnicos administrativos, pagamento dos estudantes que estão com suas bolsas atrasadas. Além disso, a categoria reivindica o salário minimo da DIEESE, que é de R$ 2,2 mil como piso salarial para o professor auxiliar de 20h. Atualmente o piso é de R$ 1.000.

Desde o mês de março, os professores estão mobilizados para que suas reivindicações sejam aceitas. A categoria cruzou os braços por um período de quase duas semanas, logo depois realizou paralisação em dias alternados. ?Ainda tivemos reuniões com o o secretário de Administração, Paulo Ivan, mas não avançamos nas negociações?, disse a professora Lina Santana. (P.C.)

Fonte: Pollyana Carvalho