Professores rejeitam proposta do Governo e decidem manter greve

Os professores defenderam a continuidade do movimento grevista e da pauta de reivindicações.

Em assembleia geral realizada na tarde de ontem, os professores da Universidade Federal do Piauí (UFPI) rejeitaram a nova proposta do governo apresentada na última terça-feira e mantiveram o movimento grevista. Os campi de Bom Jesus, Parnaíba, Picos, Floriano e Teresina aprovaram por unanimidade a continuidade da greve.

Os professores defenderam a continuidade do movimento grevista e da pauta de reivindicações proposta pelo Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN).

No entendimento dos professores, não houve avanço nas negociações com o governo federal, uma vez que a reestruturação da carreira e as melhorias nas condições de trabalho não foram atendidas.

Durante a assembléia, o comando de greve local da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Piauí (ADUFPI), apresentou a avaliação da proposta do governo, destacando a similaridade com a proposta anteriormente rejeitada na assembleia do dia16.

Greve continua e categoria volta a se reunir dia 1º

Segundo o presidente da ADUFPI, Mário Ângelo, o governo apenas reapresentou a mesma proposta com ínfimas modificações. "O único ponto diferente, de fato, da proposta anterior, é a criação de um grupo de trabalho que tem grandes e perigosas atribuições, como, por exemplo, estabelecer diretrizes para a avaliação de desempenho para fins de progressão, criação de critérios para promoções às classes da carreira de professor federal e promoção de professor titular a serem estabelecidos em regulamento, entre outros", ressaltou o presidente da ADUFPI Mário Ângelo.

Para o professor do Centro de Ciências Agrárias (CCA), José Luciano, o governo apenas apresenta propostas com perspectivas futuras. "A proposta apresentada na última terça-feira pelo Ministério do Planejamento não atende os requisitos básicos da categoria.

A carreira docente precisa de recuperação imediata, uma reestruturação da carreira que atenda todos os níveis de docência", destacou José Luciano.

Os professores que se pronunciaram reforçaram que a greve continue e que o ANDES-SN seja o único representante legítimo da categoria nas mesas de negociação com o governo federal.

Um ato público das categorias dos servidores federais em greve será realizado no próximo dia 31 de julho, na Praça Rio Branco, ás 8h. O professor Geraldo Carvalho, foi escolhido como delegado para se integrar ao Comando Nacional de Greve em Brasília.

A próxima assembleia geral foi marcada para o dia 6 de agosto, após a próxima reunião com o governo que acontecerá no dia 1º de agosto.

Fonte: Jornal Meio Norte