Programa "Mais Saber" procura atingir estudantes

O programa "Mais Saber", que tem como objetivo se utilizar das ferramentas de educação a distância para chegar nos espaços mais longínquos.

É sabido que há locais distantes onde as políticas públicas não chegam, trata-se dos espaços, principalmente do campo, justamente aquelas regiões geográficas, onde os direitos costumam tardar em chegar.

A partir da experiência da Amazônia a Secretaria Estadual de Educação e Cultura (Seduc) inaugura o programa "Mais Saber", que tem como objetivo se utilizar das ferramentas de educação a distância para chegar nos espaços mais longínquos.

O programa será destinado a estudantes do 1° ano que estão fora da sala de aula e desejam completar seu Ensino Médio. Além disso, haverá reforço escolar para pré-vestibular. As aulas serão ministradas em Teresina e devem chegar a 300 pontos em municípios diferentes do Piauí.

"Importância é fazer inclusão social, digital e aumentar os índices de escolarização. Queremos, com isso, fazer com que estudantes voltem às salas de aula e, assim, diminuir o número de evasão escolar.

As aulas correspondem ao Ensino Médio Regular, com os mesmos conteúdos e carga horária", conta o coordenador do programa, Valdir Soares.

O programa de mediação tecnológica visa ser interativo entre estudantes e professores e deve atingir principalmente as áreas de assentamento no interior do Estado.

O edital para processo seletivo simplificado para mediadores pedagógicos no programa já estão abertos, e serão no período de 22 a 29 de junho de 2012.

De acordo com o edital, os mediadores pedagógicos selecionados irão atuar no preparatório do Exame Nacional do Ensino Médio-ENEM -, reforço escolar do Ensino Médio e no Ensino Médio Regular do programa Mais Saber.

Podem participar do processo seletivo portadores de diploma de curso de graduação em licenciatura plena ou cursando, no mínimo o 5º período de cursos de licenciatura plena, em qualquer área do conhecimento.

"As pessoas com necessidades especiais podem participar da seleção, basta que as atribuições desenvolvidas sejam compatíveis com a deficiência", explica o professor Valdir Soares.

Fonte: Sarah Fontenelle