Projeto usa esporte para tirar jovens da dependência química

O principal tratamento utilizado no projeto é o futebol

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTA SEXTA-FEIRA (29) DO JORNAL MEIO NORTE

O projeto Bola Pra Frente já existe desde 2012, e até então, tem dado assistência para mais de mil adolescentes, em situação de vulnerabilidade social, que sofrem de alguma dependência química. Em que o principal tratamento utilizado é o futebol. Além do esporte, os jovens recebem atendimento multidisciplinar com psicólogos, educador físico e conselheiro de dependência química.

E para lançar mais uma etapa deste projeto, aconteceu na manhã desta quinta-feira, 28, na Fazenda da Paz, centro da capital, um encontro com a equipe organizadora do Bola Pra Frente, de pais ou responsáveis e dos jovens atendidos.

Para Célio Barbosa, o coordenador da Fazenda da Paz, a iniciativa contou com o apoio de todos da instituição para obter sucesso. “O Bola Pra Frente supriu as necessidades que a Fazenda da Paz tinha no acolhimento dos adolescentes. Porque o tratamento desse público é diferenciado. Mas conseguimos junto com a equipe e com os próprios acolhidos criar o projeto, que não é só jogar futebol, o esporte em si é o lazer, mas também conseguimos garantir atendimentos multiprofissional”, esclarece.

Célio Barbosa, que é também um dos fundadores da instituição, destaca ainda os resultados da ação: “Nós tivemos em todas as etapas do projeto 100% de aproveitamento”, afirma.

Quem também continua incentivando a equipe do projeto é Diana Pacífico, coordenadora do Bola Pra Frente. Ela destaca que as dificuldades iniciais de encabeçar o projeto não os fizeram recuar. “No início é sempre difícil, mas com o passar do tempo, foi desenvolvendo e dando resultados positivos. Daí vem uma motivação, que a gente procura estar sempre melhorando”, revela.

Repórter: Márcia Gabriele

Fonte: Márcia Gabriele