Centro de THE tem "Paredão do Sexo", revela travesti

Centro de THE tem "Paredão do Sexo", revela travesti

Algumas travestis relataram à reportagem um pouco do seu cotidiano, marcado por violência.

A prostituição que ocorre durante a madrugada no centro da capital já é velha conhecida dos teresinenses. Travestis e prostitutas disputam espaço nas calçadas, um meio de violência e uso de drogas. Na área do 1º Batalhão da Polícia Militar, existe até um chamado "Paredão do Sexo", calçada onde muitas "profissionais do sexo" ficam, a espera de clientes.

Algumas travestis relataram à reportagem um pouco do seu cotidiano, marcado por violência. Uma delas, que atende pelo nome de Bárbara, com 15 anos de trabalho, conta que já foi agredida por clientes que se recusaram a pagar. "Uma vez, depois do programa, ele disse que não iria me pagar. Me bateu e me jogou para fora do carro, na rua. Eu me levantei e fui caminhando até a esquina. A gente não pode fazer nada, né", relata Bárbara.


Prostituição: Centro de Teresina tem

Quase todas são usuários de drogas, e algumas delas são portadoras do vírus HIV. "Tem lugar para todos, né, o negócio é se prevenir", disse Bárbara. As travestis ainda tem de conviver com prostitutas e cafetões, que os querem bem longe de seus pontos. Uma das travestis, que não quis se identificar, contou que vai "trabalhar" armado com uma faca, para se defender. "Trago a faca para cortar cenoura, pepino...", brinca.

"É por isso que eu digo, tem que ser muito homem para fazer isso", brinca Bárbara. O programa custa em média R$ 80. Se o travesti gostar de você, o preço pode cair para R$ 40. Eles relatam que homens casados são os que mais procuram seus serviços. Vale lembrar que não é crime a prostituição, crime é tirar algum lucro da prostituição alheia.

Fonte: Andrê Nascimento