Protesto contra "cura gay", Feliciano e ato médico reúne 4 mil em SP

Ao menos 4 mil manifestantes participaram, na noite desta sexta-feira, de um protesto pacífico para pedir a derrubada do projeto de lei do


Protesto contra

Ao menos 4 mil manifestantes participaram, na noite desta sexta-feira, de um protesto pacífico para pedir a derrubada do projeto de lei que ficou conhecido como "cura gay", proposta que autoriza aos psicólogos a promover tratamentos com o objetivo de "curar" a homossexualidade, e foi aprovada na última terça-feira pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, presidida pelo deputado Marco Feliciano (PSC-SP). O texto ainda precisa passar por duas comissões da Câmara antes de ser votada em plenário, mas o avanço do projeto preocupou militantes LGBT (lébicas, gays, bissexuais e transgêneros), que convocaram a passeata para pedir a saída de Feliciano da presidência da comissão.

"Nós não somos doentes. Nós não precisamos de tratamento. Nós somos felizes. Quem é doente, quem precisa de tratamento, é o deputado Feliciano", criticou Agripino Magalhães, 32 anos, militante homossexual e um dos organizadores do protesto.

Promovido pelas redes sociais, o protesto teve o apoio de profissionais da saúde que se uniram aos ativistas contra o que chamaram de "ingerência do Poder Legistativo" sobre o setor. Psicólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, enfermeiros e outros profissionais também se mobilizaram parapedir que a presidente Dilma Rousseff (PT) vete o chamado "ato médico", projeto de lei aprovado pelo Senado também na última terça que dá apenas a médicos o poder sobre certos atos que envolvem outras categorias.

"É uma ingerência do Legislativo tentar inferir qualquer proposta sobre a nossa profissão. Nós temos que ter autonomia, não cabe à Câmara criar propostas como essa", defendeu o psicólogo Sérgio Garcia, 33 anos, do Movimento Cuidar da Profissão.

"Esse projeto (da "cura gay") causa impactos sérios sobre a psicologia. Por outro lado, o ato médico traz consequências tanto para os profissionais da saúde e, principalmente, para a população que depende do SUS (Sistema Único de Saúde). É uma proposta absurda que cria uma reserva de mercado para os médicos. Se a Dilma não vetar, a saúde vai parar", completou o acumpunturista Yoichi Takase, 37 anos, ao explicar o porquê da união das duas causas em uma só manifestação.

Passeatas

Apesar do apoio mútuo, os manifestantes contrários à "cura gay" e ao ato médico marcharam em duas passeatas. Vestidos de branco e com nariz de palhaço, profissionais da saúde caminharam pela rua da Consolação e avenida Paulista carregando cartazes com a frase "Veta Dilma".

Já os manifestantes LGBT - cerca de 4 mil pessoas, segundo a Guarda Civil Metropolitana - repetiram o trajeto, gritando frases de ordem como "Feliciano sua hora já chegou"; "o povo tá na rua; a gente não tem cura"" e "vem pra rua sem preconceito".

A manifestação ocorreu de forma pacifica e reuniu famílias, como a de Fabiana Pires e Fabiana Oliveira, que levaram a filha Gabriela, de 10 anos, para a passeata. A criança carregava um cartaz escrito: "minhas mães não precisam de cura".

"É a primeira vez que ela vem com a gente para uma manifestação. Queríamos que ela soubesse que não é um problema ser diferente. Nós e todos aqui somos felizes", disse Fabiana Oliveira.

Fonte: Terra