Reconstituição de morte por R$ 7 faz namorada de vítima chorar

Reconstituição de morte por R$ 7 faz namorada de vítima chorar

Jovem foi morto a facadas em Guarujá no último dia 31 de dezembro

A ex-namorada do jovem que foi morto a facadas no último dia 31 de dezembro em Guarujá, no litoral de São Paulo, participou da reconstituição da morte do turista de Campinas que aconteceu nesta quinta-feira (21). Patrícia Bonani acredita que participar da reconstituição é como um presente para Mário Sampaio, que completaria 23 anos nesta quinta. Os acusados de participação da morte do jovem também acompanharam a reconstituição.

O turista foi morto a facadas por José Adão Passos, dono de um restaurante na cidade que confessou o crime. Diego Souza Passos, filho de Adão, e um garçom que teria participado do crime também foram indiciados pela Justiça, mas o funcionário está foragido. A ex-namorada de Mário contou como aconteceu o crime. "Quando o Mário ligou para a polícia, porque ele sabia que o Diego estava com uma faca no bolso, o Adão desferiu um tapa no rosto dele. Depois o mesmo (Adão) desferiu três facadas, uma na altura do ombro e duas nas costas. O garçom ajudou a barrar a saída, e também agrediu o Mário", explica.

Patrícia disse ainda que a negativa dos acusados em participar da reconstituição é uma forma de admitir a culpa pelo crime. "Porque eles não quiseram fazer? Porque quem cala consente. Aqui era onde eles poderiam ter falado a verdade, e não fizeram, saíram. Foi muito difícil olhar para eles, ver eles, mas fazer a reconstituição fez com que eu me sentisse fazendo justiça pelo Mário", alega.

Mário completaria 23 anos nesta quinta-feira, o que deixou os parentes do jovem abalados. "Hoje era para gente estar feliz, todo mundo em casa, estar juntos comemorando o aniversário, entregando o presente, mas a gente está aqui. É o presente que eu posso dar para ele, e eu sei que onde ele estiver ele está bem, e está orgulhoso de todo mundo que fez isso por ele", completa.

O caso

O crime aconteceu em 31 de dezembro de 2012. Mário Sampaio estava em uma churrascaria acompanhado de três amigos e da namorada quando a confusão começou. Segundo a polícia, o jovem se recusou a pagar o valor de R$ 19,99, alegando que o valor divulgado era de R$ 12,99. Após uma grande discussão, envolvendo o dono da churrascaria, José Adão Pereira de Passos, e o filho dele, Diego Souza Passos, Sampaio foi esfaqueado e acabou morrendo no local. Testemunhas disseram para a polícia que em momento algum o estudante agrediu os funcionários do restaurante.

Por outro lado, José Adão, responsável pelas facadas que mataram Mário, alega que atacou o turista para defender o filho, que estaria sendo espancado. Durante o depoimento, José Adão, que está preso, disse que a confusão começou quando um dos clientes deu vários chutes nele após o bate-boca por causa da conta.

Fonte: G1