Harris: Gigante da tecnologia aporta no Piauí

Harris: Gigante da tecnologia aporta no Piauí

No Piauí, a entrada da Harris deve-se a um investimento de quase R$ 1 milhão da Rede Meio Norte, a primeira emissora regional de TV do Estado

Há uma década, qual seria a resposta a essa pergunta: Quando empresas de alta tecnologia vão entrar no mercado piauiense vendendo equipamentos que custam centenas de milhares de reais a empresas locais? Certamente não havia previsão. Pois isso está acontecendo exatamente agora, quando gigantes como a norte-americana Harris, líder em tecnologia de broadcasting, comemoram a entrada no crescente e promissor mercado nordestino, especificamente no Piauí.

O mercado de broadcasting, que inclui TV, rádio e telecomunicações, está em plena efervescência no Brasil devido ao advento da TV digital, conhecida pela sigla HDTV (high-definition television), uma televisão de alta definição e que abre perspectivas inovadoras de convergência digital. O atual sistema analógico, que ainda é usado na maioria do país, tem qualidade de imagem muito inferior.

No Piauí, a entrada da Harris deve-se a um investimento de quase R$ 1 milhão da Rede Meio Norte, a primeira emissora regional de TV do Estado. ?A emissora está muito bem estruturada e a mão de obra é qualificada?, elogia o field engineer da Harris que veio a Teresina acompanhar a instalação dos equipamentos, Paulo Tukiama. Ele é o engenheiro de campo que a Harris encaminha para coordenar os trabalhos nos Estados.

O Nordeste, devido ao pioneirismo da Meio Norte, é um destino recente para Tukiama, que confirma que a tecnologia digital instalada na sede da emissora é a mais moderna existente. ?Com essa transmissão digital, não há possibilidade de ?fantasmas?, ?tremidos? e ?chuviscos? na TV na casa do telespectador?, diz o engenheiro, lembrando, é claro, que o aparelho precisa ser digital para se verificar tamanho avanço.

A Rede Meio Norte começou as transmissões digitais na última semana. ?Foi uma espécie de presente de aniversário para Teresina, que completa 159 anos nesta terça- feira?, pontua o consultor de Jornalismo do Sistema Integrado de Comunicação Meio Norte, José Osmando de Araújo.

Ele lembra que as duas tecnologias, analógica e digital, ainda vão conviver até pelo menos 2016, por imposição do governo brasileiro e porque a maioria dos telespectadores não comprou aparelhos

digitais ou conversores para seus equipamentos analógicos. ?Mesmo que o governo não tivesse tomado tal decisão, a Meio Norte iria respeitar seus telespectadores que ainda não adquiriram os aparelhos de última geração?, completa.

Com a realização da Copa do Mundo de 2014 no Brasil e das Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, há a expectativa que boa parte dos brasileiros compre novos aparelhos de TV, que já serão digitais. Isso apressaria a adoção da TV digital por completo.



?Transmissão digital é um grande avanço?, diz diretor técnico

A entrada da Harris no mercado local, através do alto investimento da Rede Meio Norte na instalação da TV digital, representa o maior avanço desde a chegada da TV no Piauí, na década de 60. ?O sistema analógico, bidimensional, não permite ao telespectador, por exemplo, assistir a transmissões em 3D?, explica o diretor técnico do Sistema Integrado de Comunicação Meio Norte, Sylas Evangelista.

Ele comenta que o sistema analógico foi implantado no Brasil em 1936 e, desde então, mudou muito pouco. "O princípio físico continuou o mesmo?, detalha. A entrada da cor, a partir do início da década de 70, foi um desses avanços. Mas a TV digital é um salto diante desse passo de 40 anos atrás.

Para a Rede Meio Norte inaugurar suas transmissões digitais foram necessários equipamentos de ponta. Encoder, Excitador, módulos de potência, baterias de alta capacidade, super no-break, além de outros, são nomes que o leitor deve não conhecer, mas representam o que de mais moderno existe em transmissão digital.

Para se ter uma ideia, o transmissor é refrigerado a líquido. O que isso significa? Que ele consome menos energia, sendo considerado um equipamento ?verde?, que respeita o meio ambiente ao potencializar a eficiência energética.

Mesmo com as constantes quedas ou falta de energia em Teresina, na região onde está localizada a Rede Meio Norte, na zona Sul da capital, o super no-break vai garantir que a TV permaneça no ar com qualidade. Ele é um suporte para o grupo gerador que já existe na empresa. ?É uma segurança a mais, além do que ele trata a energia, que sai ?limpa??, revela Sylas Evangelista.

O telespectador poderá interagir com os programas

O início das transmissões digitais pela Rede Meio Norte é o futuro chegando à casa dos telespectadores. Graças aos recursos que esse tipo de tecnologia permite, o telespectador poderá, ao longo dos próximos anos, interagir com os apresentadores. As possibilidades são tremendas com a TV digital. Em casa, a família poderá votar em concursos transmitidos pela Meio Norte, participar de quizz (competições de perguntas e respostas muito comuns na TV), fazer compras e enviar sugestões diretamente.

?Essa possibilidade técnica ainda não está sendo usada no Brasil, até porque o Ministério das Comunicações tem de definir regras, mas em breve deve começar?, avalia o diretor técnico do Sistema Integrado de Comunicação Meio Norte, Sylas Evangelista.

?Realmente a capacidade de interação entre audiência e apresentadores será grande?, confirma o

engenheiro da Harris

Fotos













Fonte: Jornal Meio Norte, www.jornalmn.com.br