Revelação da apresentadora Xuxa estimula vítimas de abuso a denunciar agressores

Revelação da apresentadora Xuxa estimula vítimas de abuso a denunciar agressores

Ligações para o Disque 100, do governo federal, aumentaram quase 50%.

Ao revelar ao Fantástico, no dia 20, o abuso sexual que sofreu, Xuxa trouxe à luz a angústia de quem passa por isso. No dia seguinte, o número de ligações para o disque 100, serviço do governo federal que recebe denúncias de violação aos direitos humanos, saltou dos habituais 80 mil para 112 mil telefonemas em um só dia, como mostrou o Fantástico deste domingo (27). Um aumento de quase 50%. Em grande parte dos casos, a família demora a perceber que algo está errado.

O Hospital Pérola Byington, de São Paulo, referência no atendimento de vítimas de violência sexual, registra de 12 a 14 casos por dia. A metade é de crianças e adolescentes. Os registros do hospital mostram uma clara diferença entre a violência sexual sofrida por mulheres adultas e por crianças. No caso das mulheres, o agressor é um desconhecido que age em lugares públicos. No caso das crianças, o abuso acontece dentro de casa por pessoas que deveriam protegê-las.

Para a equipe médica do hospital, mudanças bruscas de comportamento podem ser reflexo de violência sexual. "Crianças que já tenham superado essa fase de desenvolvimento e voltam a fazer xixi na cama no período noturno, crianças que passam a ter um temor específico de ficar sozinhas com determinado adulto, crianças que por marcas da violência que possam ter vão utilizar roupas fechadas num período de calor, incompatível com aquele ambiente, enfim, a criança sempre dá o sinal de que algo não vai bem na vida dela?, diz o médico Jefferson Drezett.

Uma jovem conta que o abuso ocorria no aconchego de casa, diante dos olhos da família, de onde menos se espera. ?Não tem lugar, não tem forma, não tem nível social. Acontece?, diz. O abusador não poderia estar mais próximo. ?Eu convivia com o meu pai. O perigo morava ao lado, no quarto ao lado?, conta.

Ela acusa o pai, um advogado de prestígio, integrante da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de uma rica cidade do interior paulista, de ter abusado dela. ?Era sempre quando eu tava dormindo, era sempre de madrugada. Aí eu acordava, ele já tava com a mão nos lugares, assim, fazendo todas as coisas?, revela.

Começou aos 7 anos de idade. ?No outro dia dava "bom dia, tudo bom com você?". Sabe um negócio de louco? Você acha que é coisa de filme, que é surreal. Como assim? O que tá acontecendo??, diz a vítima.

Aos 11 anos, ela procurou a mãe. ?Daí eu falei pra minha mãe: "Mãe, o meu pai faz umas coisas estranhas comigo, ele vai à noite, ele fica passando a mão em mim. A minha mãe chorou muito, parecia que ela ia tomar alguma atitude, eu achei que ela ia separar?. Mas em vez de enfrentar o marido, a mãe silenciou.

?Eu ficava em estado de choque, parada, eu não sabia. Eu falei: "como assim? Minha mãe mentiu pra mim? Ela falou que ele ia parar e continuou." Por que??. Aos 16 anos, ameaçou ir à delegacia. O pai se assustou.

?Só parou quando eu enfrentei. Só. Senão teria continuado não sei até quando?. Mas no ano passado, já com 19 anos, estudando direito na universidade, ela soube que o pai fazia o mesmo com o irmão menor e com uma tia mais jovem do que ela.

Foi quando o denunciou à polícia. ?E tem que denunciar porque é a pior coisa que existe, abuso sexual contra criança, tirar inocência de criança. Não se faz isso?.

Em vez de apoiá-la, a mãe, mais uma vez, ficou ao lado do marido. ?Não dá pra entender a minha mãe. Sabe, o pior é que eu amo ela. Mas que amor é esse que ela tem pela gente que ela não faz nada??

O processo corre em segredo de Justiça. O pai, acusado de violência sexual, nega tudo. E diz que a filha inventou a história. Ele e a mãe, acusada de omissão, chegaram a ser levados ao presídio. A mãe conseguiu liberdade provisória. O pai, hoje, está em prisão domiciliar com autorização especial para trabalhar.

A jovem não mora mais com eles. Do sofrimento acumulado veio a decisão de romper o silêncio.

?Gente, você acha que isso é uma coisa que você sai falando pra todo mundo assim? Menor de idade, com 15, 14 anos: "sabe de uma coisa? O meu pai abusou sexualmente de mim, sabia? Você não sai falando isso. Isso é uma coisa que você sente vergonha, entendeu? Vergonha?, conta.

Se soubesse dos sintomas que uma criança pode apresentar em caso de abuso, talvez uma outra mulher não estivesse tão martirizada por não perceber o sofrimento da filha.

"A minha cabeça dá mil voltas.Mas eu não consigo mais agir com o coração. Tá tudo morto. Às vezes fico me perguntando na minha cabeça se realmente é verdade o que eu estou vivendo. Sempre o que eu preservei na minha vida foi os meus filhos."

Ela ficou sabendo há apenas um mês que a filha foi abusada e estuprada pelo padrasto durante 9 anos.

Pergunta: Você não conversava com ninguém a respeito?

Vítima: Não. Nunca falei nada pra ninguém.

Pergunta: Por quê?

Vítima: Por medo do que ele pudesse fazer. Ele falava assim: se você falar alguma coisa, se você abrir a boca, a primeira pessoa que vai é a sua mãe. Depois vão seus irmãos.

Mês passado, numa roda de amigas, ela finalmente resolveu contar.

Vítima: "Foi a primeira vez que eu consegui falar alguma coisa pra alguém.

Pergunta: Que foi para as suas amigas?

Vitima: "Foi pra elas".

Pergunta: Aí uma das tuas amigas fez a denúncia na polícia?

Vítima: Fez a denúncia.

Aos policiais, a jovem, que hoje tem 16 anos, disse ter sido abusada pela primeira vez aos 7.

?Dos 7 aos 10, ele ainda brincava. Aí, tipo, depois da primeira menstruação que acontecia mesmo o sexo em si?, diz.

?Depois dos 14 ele marcava dia na semana. Ele marcava tipo segunda e terça, ou terça e quinta, vamos supor. Ele marcava esses dois dias. Era obrigado. Quando eu fiz 15 anos aí começou três vezes por semana?, conta.

Pergunta: Você engravidou?

Vítima: Sim. Depois da primeira menstruação.

Pergunta: Quantas vezes?

Vítima: Eu perdi as contas. Porque foram muitas.

Pergunta: Cinco, dez?

Vítima: Mais. Foram muitas vezes mesmo.

O próprio padrasto providenciava o que seriam medicamentos abortivos.

Vítima: Ele me deu remédio pra abortar mesmo, pra matar.

Pergunta: Mas que remédios que eram? Tinha prescrição médica?

Vítima: Eu não vi os remédios. Ele entregava os comprimidos na minha mão e eu tomava.

O padrasto está preso. A mãe não quer vê-lo nunca mais. Longe do agressor, é hora de refazer a vida.

?Querendo ou não ele destruiu a melhor parte da minha vida, que foi a minha infância. Mas agora é seguir em frente?, conta ela. ?Agora eu posso viver a minha vida, agora eu posso ir atrás do que eu sempre quis pra mim. Que ele não deixava ter?, conclui.

Fonte: G1