Seminário Espírita em Teresina vai tratar sobre os mistérios da morte

A confusão de sentimentos e pensamentos a respeito desse tema é bastante comum.

A morte é vista pela maior parte da população como um enigma. Além de provocar medo, culmina em vários outros sentimentos que geram sensação de repulsa, mas consegue ao mesmo tempo despertar uma grande curiosidade. A confusão de sentimentos e pensamentos a respeito desse tema é bastante comum e norteia o dia a dia do ser humano.

Com o objetivo de desfazer os mitos sobre a morte, um seminário espírita que vai acontecer esta semana em Teresina vai abordar essa questão em um sentido amplo.

O doutor geriatra Franklin Santana (USP-SP), membro da Associação Médico Espírita Brasileira (AME), é o convidado do evento que vai tratar vários temas do conhecimento espiritual.

Além de orientar em como trabalhar a temática com crianças, o encontro vai discutir a sobrevivência após a morte e as aplicações clínicas da espiritualidade.

Nayanna Melo é enfermeira e trabalha com a questão da espiritualidade e ressalta a importância de se discutir a morte no sentido de expandir o conhecimento das pessoas sobre o assunto.

Para ela, espiritualidade nada tem a ver com religião e reforça: Uma pessoa espiritualizada é uma pessoa treinada, preparada para compreender a vida após a morte", diz.

O evento, que começa a partir das 19h e será aberto ao público, acontecerá entre os dias 30 de março e 1º de abril, na Federação Espírita Piauiense e na Sala Espírita Cantinho de Luz Fabiano de Cristo, no centro e zona Sul de Teresina, respectivamente.

"Estudar a morte é uma atitude de amor à vida.

Exatamente o que ele (Franklin Santana) vai tratar. Esse talvez seja o maior enigma de nossas vidas e as pessoas não estão preparadas para a morte. A gente tem uma tendência de levá-la para a periferia de nossas vidas e isso desde criança.

Como nós não tratamos de maneira comum, as crianças se deparam com situações de tal forma que se chocam. Isso acontece porque não somos treinados a lidar com a morte", completa Nayanna Melo.

Fonte: Virgínia Santos