Serão 13 municípios do Piauí capacitados para o beneficiamento do caju

Essa iniciativa é um ação do Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural do Piauí

Até o fim do mês sete municípios piauienses devem receber capacitação voltadas para o reaproveitamento do caju. A ação que já aconteceu em outros seis municípios tem a proposta de ampliar as possibilidades da agricultura familiar no que compete ao mercado da cajucultura. Entre os produtos que devem ser apresentados aos produtores está a fabricação da cajuína, que é um destaque devido ao alto valor agregado que o produto possui.

Essa iniciativa é um ação do Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural do Piauí (Emater) quer aumentar a renda dos agricultores familiares do Estado através do processamento do caju, principalmente na produção de cajuína, pratos culinários e doces. Para isso, está oferta os cursos de capacitação aos agricultores em vários municípios piauienses.

Até o final deste mês, a previsão é de que Corrente, Bom Jesus, São Pedro do Piauí, Picos, Paulistana, Floriano e Valença, sejam beneficiados com capacitações também voltadas para o aproveitamento do caju. Tendo como parceiros o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Secretaria de Desenvolvimento Rural(SDR), prefeitura e sindicatos de trabalhadores rurais, o programa de capacitação do Emater ejá acontece com os agricultores familiares nos municípios de Regeneração, Amarante, São José do Piauí, Dom Expedito Lopes, Belém do Piauí e Canavieira.

Segundo o engenheiro agrônomo Milton Paula, da rede temática da agricultura familiar, as capacitações se enquadram em uma sequência de atividades que já estavam em andamento em diversos municípios do Piauí, como Aroazes, a 204 km de Teresina, onde a capacitação promovida pelo Emater resultou na produção de 2,5 mil garrafas de cajuína, prontas para consumo e comercialização. Os municípios de Colônia do Piauí e Currais também fazem parte das regiões onde foram ministrados cursos de processamento do caju.

Para o agrônomo, Aroazes é exemplo do trabalho positivo em relação aos cursos que a rede temática da agroindústria familiar tem realizado por todo o Piauí. ?O foco é estimular o trabalho cooperativo, agregar valor à produção da agricultura familiar e estimular a participação dos produtos da agricultura familiar na merenda escolar, um mercado institucional previsto em lei?, explica Milton Paula.

?A diminuição das perdas com o aproveitamento do caju, que gera ainda um valor adicional na renda nessas famílias, gera oportunidades de trabalho e renda para as comunidades?, garante Milton. (T.T.)

Fonte: Thays Teixeira - Jornal Meio Norte