Sisu só preencheu 44% das vagas na 1° chamada e tem vagas para medicina, direito e engenharia

Sisu só preencheu 44% das vagas na 1° chamada e tem vagas para medicina, direito e engenharia

Número é esperado, diz secretário; "Final do processo é o que interessa."

Menos da metade das vagas oferecidas na edição do primeiro semestre de 2014 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), realizada em janeiro, foram preenchidas na primeira chamada. É o que mostra levantamento feito pelo com base nos dados do Ministério da Educação(MEC), obtidos via Lei de Acesso à Informação.

No Sisu realizado em janeiro foram oferecidas 171.401 vagas. Na primeira chamada, apenas 76.204 estudantes convocados (44% do total) fizeram a matrícula nas universidades federais e institutos tecnológicos. De acordo com os dados, 95.197 das 171.401 vagas (56% do total) não foram ocupadas e acabaram sendo oferecidas novamente na segunda chamada.

O Sisu é um processo seletivo que usa as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para selecionar os alunos para os cursos de graduação em universidades federais e institutos tecnológicos de ensino superior.

O sistema tem duas edições por ano. A do primeiro semestre é realizada em janeiro. A edição do segundo semestre de 2014 do Sisu abrirá inscrições na próxima segunda-feira (2). Para participar, é preciso ter feito o Enem de 2013.

Pelas regras do sistema, após essa segunda convocação, ainda feita automaticamente no site do Sisu, cada instituição chama os candidatos da lista de espera de acordo com o número de vagas ainda remanescentes.

O índice de 44% de vagas preenchidas na primeira chamada foi maior do que a do Sisu do primeiro semestre de 2013, quando 41% das 129.319 vagas foram preenchidas na primeira convocação. Em 2012, 56,4% das vagas do Sisu ficaram em aberto após a primeira lista de aprovados.

O levantamento obtido pelo G1 mostra que em 1.108 cursos, ou 23,4% do total, as vagas preenchidas não ultrapassaram 25% das oferecidas.

Paulo Speller, secretário da Educação Superior (Sesu) do MEC, não considera baixo o número de matrículas feitas na primeira chamada. "A expectativa é essa mesmo. O que interessa para nós é o final do processo, quanto mais vagas preenchidas melhor", afirma. "Em 2013, 94% das vagas foram ocupadas nas duas chamadas, sem contar a lista de espera. Os números deste ano ainda estão sendo fechados. Mas a série história do Sisu vai nessa direção", diz Speller.

Tadeu da Ponte, professor e diretor da empresa de avaliações educacionais Primeira Escolha, afirma que, para um sistema como o Sisu, o número de vagas remanescentes está dentro do esperado. "Nenhuma universidade no mundo tem 100% de matrícula dos alunos", afirma.

O professor explica que a Universidade Harvard, nos Estados Unidos, é a instituição com a maior taxa de matrícula dos aprovados em primeira chamada do país. Lá, um em cada cinco alunos convocados desiste da matrícula. Na Universidade Princeton, a média de matrículas na primeira chamada é de 64,8% do total de vagas ofertadas.

Vagas em medicina, direito e engenharia

Cursos mais concorridos, como o de medicina, tiveram uma média de ocupação das vagas na primeira chamada mais alta que o total do sistema, mas quase 25% delas tiveram que ser oferecidas mais de uma vez aos candidatos. Nesta edição, o Sisu reuniu 2.925 vagas em medicina, mas 676 "sobraram" para as convocações seguintes. Em direito, das 4.724 vagas ofertadas, menos da metade continuou em aberto após a primeira chamada ?foram 2.184 vagas remanescentes. Entre as vagas de engenharia, a porcentagem foi parecida. Foram ofertadas 24.868 vagas para todos os cursos do tipo: 12.780 ficaram vagas.

Apenas 6 cursos de um total de 4.723 conseguiram preencher 100% das vagas na primeira chamada (no total, são 52). São eles: engenharia de telecomunicações no Cefet-RJ, engenharia mecânica e engenharia elétrica no Cefet-MG, engenharia ambiental no Instituto Federal de Goiás, educação física na Universidade Federal do Pará (UFP) e história na Universidade Federal Fluminense (UFF).

Motivos

Speller diz que alguns fatores contribuem para menos da metade das vagas do Sisu serem preenchidas na primeira chamada. Entre eles, o fato de o aluno que foi convocado ter sido aprovado em outras instituições fora do Sisu e preferiu se matricular em alguma mais próxima de casa, ou ainda, optou por programas em universidades particulares, como Prouni e Fies.

Tadeu da Ponte também diz que essa pode ser uma hipótese para a quantidade de vagas em aberto. "Os melhores alunos tendem a ser aprovados em mais universidades para os quais se candidatam e terão que optar por uma delas", afirmou.

Outro motivo levantado pelo secretário é que nem todos os estudantes da primeira chamada foram convocados para os cursos em sua primeira opção ?o Sisu permite a inscrição em até duas opções de curso, e é possível ser convocado na primeira chamada para qualquer uma delas. O secretário, no entanto, não informou qual a porcentagem de alunos se encaixa nesta situação.

O secretário afirma que há uma discussão permanente com as faculdades para discutir o aprimoramento do sistema. No mês de agosto haverá uma nova reunião com as instituições para discutir pequenas melhorias.

Para Tadeu, não é possível definir as razões exatas por trás da desistência dos candidatos, já que eles são muitos. Mas a possibilidade que o Sisu oferece de modificar a inscrição durante o processo seletivo pode explicar parte das vagas em aberto. Como os candidatos recebem uma nota de corte parcial diariamente, eles podem mudar suas opções para cursos que não seriam sua primeira opção, mas onde têm mais chance de passar. "Isso pode fazer com que muitos deles tenham finalizado uma escolha de opções que não é a que mais queiram e, consequentemente, podem desistir da matrícula no caso de serem aprovados."

"Tenho ainda a hipótese de que o Sisu é, para muitos, uma opção adicional, dado é que fácil de se inscrever em diferentes cursos, em mais de uma opção", afirmou o professor.

Para o educador Celso Antunes, especialista em cognição, os números podem ser um reflexo negativo da mobilidade permitida pelo Sisu, já que os candidatos disputam vagas em instituições de ensino superior localizadas em estados diferentes de sua origem e nem sempre conseguem se matricular. "É um problema que precisa ser enfrentado. O aluno concorre a vaga, mas não percebe que a realidade pragmática não permite que ele viva naquele lugar."

Nenhum matriculado

Considerando os 4.723 cursos com vagas oferecidas pelo Sisu, em 62 deles nenhum dos candidatos aprovados de primeira decidiu se matricular. Eles estão concentrados em 25 instituições, 18 delas universidades federais. Essas instituições estão principalmente no Tocantins, em Mato Grosso e em Goiás. Há também cursos sem nenhum inscrito na primeira chamada no Rio Grande do Sul, no Pará, no Paraná, em Santa Catarina, na Bahia e em Minas Gerais.

Para Remi Castioni, professor da Universidade de Brasília (UnB), trata-se de um indicador importante, que deve fazer a universidade reavaliar o papel do curso. "Precisa ouvir a comunidade, professores da rede básica, divulgar no âmbito regional e realizar uma série de estratégias para que os interessados tomem conhecimento."

Segundo ele, às vezes há uma sazonalidade presente nesta equação. "Um exemplo é o curso de geologia da UFRJ [Universidade Federal do Rio de Janeiro]. Há uns dez anos, ele tinha 50 vagas. Com a diminuição da demanda, as vagas caíram para 25. Com o boom do pré-sal, houve uma procura enorme, fazendo com que o curso voltasse a ofertar uma quantidade grande de vagas."

Fonte: G1