Sobreviventes contam drama vivido em acidente com avião da FAB que caiu no AM

Eles contaram detalhes do que viveram e no que pensavam o tempo todo

Sobreviventes do acidente com o avião da Força Aérea Brasileira (FAB) relatam o drama vivido durante a queda do C-98 Caravan, na quinta-feira (29), no Amazonas. Dos nove sobreviventes, quatro foram para Manaus. Os outros cinco permaneceram no interior do estado, onde moram. Neste domingo (1º), puderam finalmente falar sobre o acidente: os momentos de pânico que viveram, a maneira com que conseguiram sair do avião e a tentativa de salvamento das duas pessoas que morreram.

Depois de um acidente como esse, o que fica na memória? Os sobreviventes contaram detalhes do que viveram e no que pensavam o tempo todo: rever a família. Alívio, comoção, o fim da angústia. Mas como esquecer o que houve?

?Foram cinco minutos caindo, um desespero muito grande. A gente foi caindo, quando o piloto disse: ?Quem confia em Deus reza??, lembra a sobrevivente Diana Soares.

?Sinceramente, o que mais passou foi para Deus me salvar, tenho dois filhos?, conta a sobrevivente Maria das Graças Nobre. ?Todo mundo dizia para o outro rezar, acreditar em Deus, que vai dar certo?, aponta a sobrevivente Maria das Dores Carvalho.

Volta para casa

Em Tabatinga, Diana reviu a mãe: ?O avião andava normalmente, foram 40 minutos de voo. Estava normal, quando, de repente, teve um barulho estranho e o avião começou a cair?.

?O cheiro era de borracha queimada, o avião ia explodir, estava pegando fogo. Os pilotos falaram isso?, conta outra sobrevivente.

Foi então que o piloto se decidiu a fazer um pouso forçado e avisou: ?Prepare-se para o impacto e confie em Deus. A gente pousou na água, a asa do avião bateu na terra, viramos. Depois afundou?.

O técnico de enfermagem cujo corpo foi encontrado ontem estava vivo quando o avião começou a afundar: ?Ele [meu marido] ainda conversou com ele, com o avião afundando. João disse para o Marcelo ir por fora, pela porta de trás. João foi pela porta da frente. Quando meu marido saiu, não vimos João. Ele ficou preso no avião?, conta uma testemunha.

O mecânico da Força Aérea Marcelo Dias já tinha saído do avião. ?O colete dele não abriu, acho que ficou em choque, não se mexia?, conta uma sobrevivente.

Um barco da Funasa levou os sobreviventes de Tabatinga para a região onde moram. Diana e Marcelo esperaram muito para encontrar com Vitória, a filha de 3 anos, que espera na cidade de Benjamin Constant. Eles contam que pensaram nela o tempo todo.

Uma carreata se formou espontaneamente, acompanhando o pessoal até a cidade vizinha. Atalaia do Norte parou para receber os sobreviventes. A cidade inteira foi para o portão de entrada e preparou uma grande festa.

Fonte: g1, www.g1.com.br