SP: Alunos do ensino médio poderão escolher disciplinas em 2016

A aposta no protagonismo do aluno é a melhor saída para essa etapa.

O governo do Estado de São Paulo vai iniciar no próximo ano um novo modelo de currículo no ensino médio. O plano da Secretaria Estadual da Educação é transformar a maior parte do curso em disciplinas optativas, modelo em que os estudantes podem escolher o que vão estudar. O novo ensino médio deve começar em 2016 em um número restrito de escolas e depois avançar para toda a rede.


Image title

A reforma dessa etapa deve transformar sobretudo os 2.º e 3.º anos, quando as disciplinas serão oferecidas para opção do aluno. Será o estudante que montará sua grade. Apenas o 1.º ano continuaria com o currículo fechado, em um “núcleo comum”, como é hoje em toda a educação básica.

Ao se confirmar, essa deve ser a maior mudança no ensino médio da rede estadual, a maior do País. O secretário da Educação de São Paulo, Herman Voorwald, informou ao Estado acreditar que a aposta no protagonismo do aluno é a melhor saída para essa etapa, considerada o maior gargalo da educação brasileira.

“Se eu quiser desenvolver a capacidade de escolha e de tomada de decisões nos jovens, tenho de permitir que ele opte. Este é o único caminho que tenho para que esse menino diga: ‘estou escolhendo as disciplinas que eu quero, que fazem parte do que eu quero seguir na minha vida’”, disse o secretário.

A proposta está sendo finalizada na área pedagógica da pasta para ser discutida no Conselho Estadual de Educação (CEE) no segundo semestre. A secretaria não revela detalhes, mas o plano é que a maior parte do que é estudado nos dois últimos anos seja construída a partir dos interesses do aluno. Deve haver a oferta de disciplinas fora da grade tradicional, como Teatro. “Ou mudamos ou vamos falir e esses meninos não vêm para a escola. Se ele odeia Matemática, pode optar por Artes, Idiomas”, diz Voorwald.

Modelo

Ainda não há um número definido de escolas que vão iniciar a nova grade, mas elas serão escolhidas por adesão ao projeto. Há preocupação na pasta de o modelo “travar” se for iniciado em um número muito grande de escolas ou na rede toda. Essa estratégia de adesão foi adotada no modelo de Escola de Tempo Integral, iniciado em 2011, que hoje envolve 257 escolas do fundamental ao médio.

Essas unidades de tempo integral têm grade flexível, com base em um conceito de protagonismo juvenil. Os alunos podem escolher disciplinas optativas, que vão da prática de ciência à moda. As boas experiências do modelo é que têm inspirado o novo currículo. “O aluno não será mais um número, muda até o conceito de gestão”, diz o secretário, que afirma que o plano existe desde 2011, quando assumiu a pasta no início do mandato anterior do governador Geraldo Alckmin (PSDB). “Mas o terreno não era fértil na época, como agora”, diz.

Perspectiva

O ensino médio paulista tem 1,9 milhão de alunos, concentrando 42% do total de alunos da rede, segundo dados da sinopse Estatística da Educação Básica de 2014. As mais de 3,6 mil escolas estaduais paulistas com ensino médio têm quase a mesma quantidade de alunos na etapa que Minas, Bahia e Rio juntos. 

Uma das críticas recorrentes ao ensino médio é a falta de articulação com a realidade do jovem. Aluna do 2.º ano na Escola Estadual Canuto do Val, na Barra Funda, zona oeste da capital, Anna Carolina Marques da Silva, de 16 anos, tem consciência da importância da escola para sua vida, mas diz não se sentir estimulada nas aulas. “Seria incrível pode escolher fazer Matemática Financeira ou Música, isso faz muita falta na escola.”

Anna é carioca e até 2011 estudava em uma escola particular no Rio. “Senti muita diferença no começo. O comprometimento dos alunos faz metade da escola, mas em primeiro lugar é o governo que tem de oferecer algo de qualidade. E depois os professores de qualidade”, diz ela, que já pensa em cursar o ensino superior, mas tem dúvidas entre Publicidade e Biologia.

A colega Karen do Prado, de 17 anos, se queixa da centralização das decisões. “Quem está sempre certo são os professores”, diz. Assim como a amiga, Karen se empolga com a possibilidade de poder escolher o que estudar, mas vê outros problemas graves. “Na semana passada quase não tive aulas porque não havia professores.”

Fonte: Com informações do Estadão