Strans estuda a retirada e instalação de semáforos

A sinalização semafórica em alguns pontos da cidade também tem desagradado os condutores

A faixa reversível da Ponte da Primavera não é a única reclamação dos condutores da capital nos últimos meses, em relação às mudanças implementadas pela Superintendência, no trânsito de Teresina. A sinalização semafórica em alguns pontos da cidade também tem desagradado os condutores.



Recentemente, a Strans instalou um semáforo na rotatória no cruzamento das Avenidas Maranhão e Joaquim Ribeiro, Centro-Sul de Teresina, com o objetivo de desafogar o trânsito na região. A medida teve efeito inverso e causou quilômetros de lentidão no trânsito da região. A sinalização foi retirada no mesmo dia. ?A implementação de semáforos é importante para fazer o controle alternado de veículos e melhorar o trânsito. Mas para isso, é necessário que se faça um estudo antes de colocá-lo, para saber se terá aplicabilidade?, disse Bernardo. Outro exemplo que também desagradou foi o semáforo localizado na Avenida Marechal Castelo Branco, nas proximidades do viaduto da Higino Cunha. Este ainda está no local.

Para tentar resolver também esse problema, o superintendente da Strans afirma que algumas áreas da cidade estão sendo estudadas para que se veja a necessidade de permanência de alguns semáforos já existentes e ainda da colocação deles em locais que são de fato necessário. Uma área que está sendo estudada é a zona Leste, no techo que fica entre a Avenida Ininga até a Presidente Kennedy. ?Queremos melhorar o trânsito nessa região. No cruzamento da Avenida Dom Severino com a Presidente Kennedy, por exemplo, tem muito engarrafamento?, disse.

Desvio de tráfego para Ponte Estaiada também está sendo estudado

A Ponte Estaiada João Isidoro França foi uma das grandes obras realizadas em Teresina com o objetivo de desafogar o trânsito em locais como a Ponte da Frei Serafim e a Ponte da Primavera. Ela serviria para absorver parte do tráfego de veículo que saia da zona Leste em direção ao Centro e zona Norte da cidade. Mas ela ainda não está sendo usada como se planejou.

Especialistas em trânsito apontam algumas explicações para este que os condutores não optem pela ponte com a frequência que os gestores de trânsito da capital esperavam. A principal delas é a falta de opções de vias de acesso ao centro da cidade, quando os motoristas saem da ponte. ?Um das poucas opções e a principal delas é a Rua Coelho de Resende e essa via já é bastante congestionada. Então, entre pegar trânsito na Frei Serafim e na Coelho de Resende, as pessoas acabam preferindo a Frei Serafim?, disse Bernardo.

Com o objetivo de mudar essa realidade, Carlos Augusto afirma que muitas mudanças deverão acontecer no trânsito da região, sobretudo na Avenida Alameda Parnaíba, na altura da praça do Bairro Marques, na zona Norte de Teresina. Outra alteração no trânsito da região acontecerá na Rua Anísio de Abreu, que passará a ser uma outra opção, Além da Coelho de Resende, para os motoristas que querem ir ao centro da cidade, após saírem da Ponte Estaiada. ?A rua passará por obras de melhoria, será pavimentada e ainda este ano deverá sofrer mudanças para servir de opção para os motoristas que vem da zona Leste em direção ao centro da cidade. Nós estamos com muitas mudanças em estudo?, pontuou.

Fonte: Pollyana Carvalho