Suprema Corte dos EUA suspende execução uma hora antes da injeção letal

Hank Skinner foi condenado por morte de parceira e 2 filhos dela no Texas.

A Suprema Corte dos Estados Unidos suspendeu nesta quarta-feira (24) a execução de um condenado à morte, menos de uma hora antes do cumprimento da pena capital, depois de um apelo da França e de seus advogados de defesa para permitir a realização de novos exames de DNA que supostamente provariam sua inocência.

"Eu já tinha me conformado que ia morrer", disse ele após ser informado por seu advogado. "Estou ansioso pelo teste de DNA, então posso provar minha inocência e sair deste inferno."

Henry "Hank" Skinner alega que a realização de novos exames de DNA comprovaria que ele não cometeu o triplo assassinato na noite de Ano Novo de 1993, pelo qual foi sentenciado à morte.

Skinner, de 47 anos, que atualmente é casado com uma ativista francesa contrária à pena capital, foi condenado no Texas em um julgamento, celebrado em 1995, em razão das mortes de sua namorada na época e dos dois filhos dela.

O Estado do Texas recusou-se, mesmo às custas de Skinner, fazer os teste de DNA que, segundo ele, comprovariam que não foi o autor dos crimes.

A acusação demonstrou, durante o processo, a presença do acusado no local da tragédia, isto é na própria casa, um fato que ele não contesta.

Mas afirma que só uma terceira pessoa poderia ter dado os golpes, porque estava desmaiado em um sofá no momento dos crimes, incapaz de cometer o crime. A presença de um coquetel de ansiolíticos, de comprimidos contra a dor e álcool em seu organismo havia sido confirmada num exame de sangue.

Há dez anos, Skinner recebeu o apoio de um professor de jornalismo da Northwestern University que refez a investigação com seus alunos. David Protess se disse convencido de que testes de DNA o eximiriam de toda a culpa.

Mais cedo nesta quarta-feira, o embaixador da França em Washington fez contato com as autoridades texanas pedindo que a execução fosse suspensa.

Tanto o presidente francês, Nicolas Sarkozy, quando o chanceler, Bernard Kouchner, manifestaram apoio à esposa de Skinner, Sandrine Ageorges-Skinner.

"O presidente da República (Nicolas Sarkozy) e o ministro (das Relações Exteriores, Bernard Kouchner) declararam à sua esposa francesa, Sandrine Ageorges-Skinner, "todo o apoio", segundo nota do Quai d"Orsay, o ministério das Relações Exteriores francesa.

Depois de passar 15 no corredor da morte, Skinner devia ter sido executado às 18h locais desta quarta-feira, com injeção letal.

O Texas executou 451 pessoas desde 1976, e os Estados Unidos liberaram 17 condenados já no corredor da morte nos últimos anos, graças a testes de DNA.

A decisão da Suprema Corte não garante, contudo, que os testes vão ser realizados.

Fonte: Globo.com