Tarifa de energia em 2016 deve estabilizar devido aumento da oferta

A expectativa é que o cenário melhores agora em 2016

Com uma alta de 49% entre os meses de janeiro e outubro, a tarifa de energia elétrica foi uma vilãs da inflação em 2015. Um dos principais fatores para o aumento do custo de energia se deu devido a falta de chuvas que ocasionou a redução do nível de água nos reservatórios das hidrelétricas obrigando que as usinas termelétricas fosse acionadas.

Nival de Castro, coordenador do Grupo de Estudo do Setor Elétrico, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) avalia que é esperado que o cenário melhore agora em 2016. Segundo ele as tarifas de energia deste ano devem subir em níveis próximo da inflação, pois a situação hidrológica deverá ser melhor e poder haver aumento da oferta de energia, com entrada em funcionamento de novos empreendimentos de geração.

“Isso parece indicar que não vamos ter grandes aumentos no ano que vem, tendendo a subir dentro dos níveis inflacionários”, afirmou o coordenador.

Entretanto, o Governo deverá continuar acionado o sistema de bandeiras tarifárias, que permite o repasse mensal dos custos extras da geração de energia térmica para as contas de luz do consumidor para que seja evitado que as distribuidores de energia tenham novamente problemas financeiros.

A estimativa do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) é de que as condições hidrológicas e climáticas previstas para 2016, com previsões de chuvas provocadas pelo fenômeno climático El Niño nas regiões Sul e Centro-Oeste, devem garantir o atendimento à demanda de energia do Brasil.

O Banco Central divulgou recentemtne o Relatório Trimestral de inflação e segundo ele o El Niño poderá resultar em uma redução nas tarifas de energia elétrica por causa do aumento do nível dos reservatórios.

Segundo o que é relatado no documento uma possível troca de bandeira vermelha para amarela porporcionará uma redução de 0.18 percentual na inflação e caso haja uma troca de bandeira vermelha para verde a redução será de 0.36 ponto percentual.

Outro fator que pode influenciar positivamente o cenário deste ano é a redução do valor repassado para cobrir a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) . Em 2015, o montante foi calculado em R$ 18,9 bilhões e, para 2016, o repasse deverá ser de R$ 12,1 bilhões, o que, de acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), poderá gerar um impacto negativo de 4,56% nas tarifas.

Fonte: Opovoonline