Brasil fez mais de 15 mil solicitações de dados de usuários para o Google

No total, as solicitações dos governos aumentaram cerca de 120% desde que os números começaram a ser publicados em 2009.


Brasil fez mais de 15 mil pedidos de dados de usuários para Google

As autoridades brasileiras já fizeram 15.321 solicitações de dados de usuários para o Google de 2009 a 2013, segundo relatório da empresa. O país em que o Google recebeu mais pedidos foi os Estados Unidos, que, somente entre julho e dezembro do ano passado, contabilizou 10.574.

Em meio à polêmica de espionagem, a empresa atualizou seu relatório de transparência mostrando os pedidos para investigações criminais de todos os países. No total, as solicitações dos governos aumentaram cerca de 120% desde que os números começaram a ser publicados em 2009. ?Embora nosso número de usuários tenha crescido por todo esse período, também estamos vendo mais e mais governos começarem a exercer suas autoridades para realizar solicitações?, escreveu o diretor legal do Google, Richard Salgado, em post no blog oficial da empresa.

A companhia divulgou o percentual de solicitações atendidas integral e parcialmente, e o número de usuários especificados nos pedidos. No segundo semestre de 2013, por exemplo, o governo e tribunais brasileiros solicitaram dados de usuários para processos e investigações 1.085 vezes. O Google enviou os dados em 49% delas, somando 1.471 usuários. Os dados pedidos valem para serviços do Google, como o Gmail e redes sociais, e para usuários do YouTube.

O recorde de solicitações do Brasil foi de 3.663 entre julho e dezembro de 2009, mas o Google não chegou a enviar informações de nenhum usuário. Em seu blog, a empresa explica como funciona o processo de solicitação de dados, e garante usar padrões rigorosos para atender cada pedido, independentemente do tipo dele.

Recentemente, o Ministério Público Federal denunciou dois diretores do Google Brasil por deixarem de cumprir ordens judiciais em ações que envolviam a pornografia infantil no Orkut. Em resposta, a empresa negou as acusações, afirmando que faz o possível para colaborar com as investigações.

Fonte: Assessoria