Brasileiros ganham destaque em eventos de robótica em 2012

Parece que 2012 foi o ano dos Juniors para o Brasil na RoboCup, principal competição mundial de robótica

Quem pensa que robôs são aparelhos de filmes norte-americanos está muito enganado. A produção nacional em robótica avança cada vez mais e tem ganhado visibilidade em feiras e competições da área. Confira alguns destaques brasileiros nos principais eventos de robótica de 2012 pelo mundo.


Brasileiros ganham destaque em eventos de robótica em 2012

RoboCup 2012

Parece que 2012 foi o ano dos Juniors para o Brasil na RoboCup, principal competição mundial de robótica. A edição deste ano ocorreu no México em junho.

Cinco alunos do Colégio Mackenzie de Brasília levaram o prêmio SuperTeam na categoria Resgate. Os doze melhores times do mundo são classificados para a competição, depois eles se organizam em duplas. Os brasileiros fizeram par com a equipe alemã e o robô criado foi o único a pontuar na prova. ?Somos o país do presente. Mostramos o potencial do Brasil na categoria? afirma a professora responsável Lucilene Campanholo, orgulhosa com a conquista.

Para participar do torneio, a equipe, chamada de Andrômeda Fênix, desenvolveu o protótipo Avenger para identificar e resgatar vítimas em locais de difícil acesso atingidos por desastres naturais.

Outra turminha brasileira que teve sucesso na competição foi a Café-com-Byte-Júnior, mas no desafio de dança. O time formado por alunos de 12 e 13 anos da escola Afonso Pena Júnior, de São Tiago, Minas Gerais, levou os prêmios de melhor programação e foi vitorioso no SuperTeam, junto com grupos da Alemanha e da China.

RoboGames 2012

Na competição RoboGames 2012, realizada em abril nos Estados Unidos, o Brasil conquistou 6 medalhas de ouro, 1 de prata e 3 de bronze e ocupou a quinta posição do pódio. Dezesseis países participaram do torneio com 238 equipes inscritas. Neste evento, robôs duelam em diversas categorias.


Brasileiros ganham destaque em eventos de robótica em 2012

Orion, desenvolvido pela equipe Triton Robos, foi o vencedor do desafio Combate entre os aparelhos com peso de até 55 kg. Flavio Hendrikx, um dos idealizadores do projeto, comemora a vitória: ?Eu particularmente acompanho este tipo de competição desde 1998 e ganhar o maior evento do gênero é uma emoção que não tem como descrever?.

O robô estilo Wedge, ou rampa, tem como estratégia entrar embaixo dos adversários e os empurrar contra a arena. ?Sua construção é feita com os materiais mais resistentes possíveis, como alumínio aeronáutico, aços com ligas especiais e titânio?, explica Flavio.

Outros robôs também garantiram o topo do pódio para o Brasil em outras categorias. O Carrapato levou a melhor no desafio Combate entre as máquinas autônomas com peso de menos de 1,5 kg. Já no desafio de Sumô, o Brasil se destacou com a Joaninha, autônoma com 25 gramas e o Zarolho, com 3 kgs. O Uai!rrior Hockey foi o ganhador nos jogos de Hockey. O Invictus foi o robô BEAM vencedor entre os que usam energia solar.

Robotics Trends 2012

A Robotics Trends ocorreu em outubro, em Fortaleza, com seis grandes eventos com o intuito de promover debates e exposições de robótica: o IX Latin American Robotic Symposium, o I Simpósio Brasileiro de Robótica, a XI Latin American Robotic Competition, a X Competição Brasileira de Robótica, a Mostra Nacional de Robótica e a V Olimpíada Brasileira de Robótica.

A Divisão de Robótica Inteligente da Universidade de Brasilia foi campeã Latino-Americana de Robótica na categoria IEEE Open. O desafio foi criar um robô voltado para a sustentabilidade. A equipe, então, construiu o Droid 1, capaz de limpar as areias da praia. O aparelho detecta latinhas, recolhe o lixo e coloca em sua caçamba.

Os robôs brasileiros também não fizeram feio nos campeonatos de futebol. A Equipe de Desenvolvimento em Robótica Móvel do curso de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Uberlândia levou o ouro na categoria RoboCup Humanoide. O desafio foi vencer uma partida com um time formado por três robôs autônomos.

Outro simpático humanoide que fez sucesso na feira foi o Tigrão, desenvolvido e aprimorado desde 2006 por alunos do curso técnico da PUC do Paraná. Com pouco menos de um metro de altura, o aparelho foi criado para interagir com crianças em hospitais.

O robô fala, pisca, mexe os braços e manda beijos para a plateia. Confira uma apresentação do robô feita por um dos idealizadores do projeto, o professor Marcelo Gaiotto, na Feira de Cursos e Profissões da universidade:

Os robôs made in Brasil vieram para ficar. Resta aguardar as surpresas desses pesquisadores e estudantes criativos para 2013.

Fonte: Tech Tudo