Conheça as péssimas condições do operário na fábrica do iPhone

Conheça as péssimas condições do operário na fábrica do iPhone

A empresa Foxconn é conhecida por fazer a montagem de eletrônicos como o iPhone, o iPad e o Xbox 360

Uma agência de notícias chinesa infiltrou um de seus jornalistas em uma fábrica da Foxconn com a missão de conhecer o processo de fabricação do iPhone 5, lançado no último dia 12. Ele fingiu ser um operário novato por 10 dias e conseguiu reunir imagens e informações valiosas sobre como funciona a fábrica, a rotina de trabalho e o processo de produção do smartphone.

A Foxconn é conhecida por fazer a montagem de eletrônicos como o iPhone, o iPad e o Xbox 360. Além disso, também fez fama por oferecer péssimas condições de trabalho aos operários, que obedecem à meta de fabricação de 57 milhões de unidades de iPhones por ano e os rígidos prazos impostos pela Apple - o que, para o jornalista, foi o aspecto mais impactante de sua experiência.

No primeiro dia o repórter participou de um curto processo de seleção, após responder a um questionário sobre suas faculdades mentais. Em seguida foi levado à fábrica para iniciar o período de treinamento. E sua primeira impressão não poderia ter sido pior: os dormitórios eram sujos, fediam e não ofereciam condições mínimas de conforto aos trabalhadores.

No segundo dia, todos os novos operários precisaram assinar os contratos logo após de tomar café da manhã em um refeitório lotado. Os documentos continham cláusulas específicas sobre a confidencialidade das informações adquiridas na fábrica, porém deixava de abordar questões importantes como horas extras, acidentes de trabalho ou salubridade do ambiente.


Conheça a péssima experiência de um operário na fábrica do iPhone 5

Nos dias seguintes, o jornalista infiltrado participou de treinamentos e ficou impressionado com a naturalidade com que os superiores tratavam mal seus empregados. Segundo o diário, era comum os supervisores dizerem que, embora os funcionários não gostassem do que ouviam, o tratamento era assim pelo bem de todos. Para aliviar o estresse, os operários se reuniam em uma área livre da fábrica para ?gritarem tudo o que não podiam gritar no centro de produção?.

No oitavo dia, os novatos finalmente foram levados à linha de produção do iPhone 5. Ao entrar na área, considerada de segurança máxima, todos foram revistados e passaram por detectores de metais. No local não eram permitidos quaisquer materiais metálicos, sejam eles fivelas de cintos, brincos, e muitos menos aparelhos eletrônicos como câmeras e celulares. O diário do jornalista, inclusive, descreve que, certa vez, um operário foi demitido pois levara consigo um cabo USB para dentro da linha de produção.


Conheça a péssima experiência de um operário na fábrica do iPhone 5

Com a costumeira truculência, os supervisores alertavam a todos que, ao sentar em seus lugares, não poderiam fazer nada além de obedecer ordens. A linha de produção para onde o jornalista foi levado era responsável por colocar películas protetoras na entrada do fone de ouvido e do conector do iPhone 5. Assim, no processo de pintura a tinta não entraria nos orifícios. Segundo o relato, todos paravam às 23h para jantar e voltavam para trabalhar novamente à meia-noite.

Em um dos dias, o funcionário disfarçado e seus colegas foram obrigados a passar a madrugada marcando pontos de encaixe em placas de iPhone, usando uma espécie de tinta à base de óleo, tudo muito rápido para que nada desse errado na esteira onde passava o material. Era comum, nesse processo, os supervisores gritarem com os operários que colocavam muita tinta nos pequenos pontos, ou com os que eram lentos demais. Essa tarefa era normalmente dada a mulheres, por serem mais delicadas e terem mãos e dedos menores. Como muitas haviam pedido demissão, os operários homens ficaram com a incumbência.


Conheça a péssima experiência de um operário na fábrica do iPhone 5

As horas de trabalho eram extenuante, e os operários ganhavam somente cerca de 8 reais a cada duas horas extras, mesmo nas madrugadas. O estresse e a raiva eram tão grandes que, na ausência dos supervisores, os trabalhadores socavam as partes de iPhone contra as esteiras e xingavam.

Segundo o diário, somente 2 dos 36 operários que entraram na Foxconn junto com o jornalista conseguiram obter condições melhores de trabalho, pois foram designados ao departamento de inspeção de controle de qualidade. Nesse setor eram permitidos 10 minutos de descanso a cada 2 horas trabalhadas. O jornalista não aguentou a rotina e abandonou a fábrica no 10º dia.

Fonte: Tech Tudo