Google Mais: Usuários reclamam de perfis apagados na rede social

Membros da rede social têm perfis apagados por usarem pseudônimos.

Um problema que estava aquecendo os ânimos há alguns dias entrou em ebulição neste final de semana, com o Google aparentemente acelerando a desativação de contas do Google+ devido a uma requisição do site de que os membros utilizem obrigatoriamente seus nomes verdadeiros.



Os usuários da rede social começaram a reclamar a respeito dessa medida praticamente uma semana após o lançamento do endereço, no fim de junho, e, após três semanas, vários funcionários têm discutido esta questão. Em 11/7, por exemplo, Natalie Villalobos, moderadora da Comunidade do Google+, respondeu a reclamações no fórum de discussão oficial do site, reiterando a política da rede social e explicando o processo de apelação caso a conta tenha sido apagada. Ainda assim, o mal-estar continuou no fórum e em outros meios como Twitter e blogs pessoais, atingindo seu ápice esta semana quando a Google sumiu com contas de usuários mais conhecidos, de acordo com Violet Blue, blogueiro da ZDNet.

As reclamações caem em duas categorias distintas: o primeiro grupo de usuários afetados afirma que estavam utilizando seus nomes verdadeiros, e aparentemente tiveram suas contas do Google+ apagadas porque têm nomes peculiares ou com caracteres ou letras pertencentes a línguas estrangeiras. No outro extremo, há os que desejam utilizar um pseudônimo porque não querem revelar seus nomes verdadeiros.

Procurado, o porta-voz da Google afirmou via e-mail que perfis são desenvolvidos para funcionarem como páginas web públicas, as quais têm o propósito de ?ajudar a conectar e encontrar pessoas no mundo real?. ?Ao fornecer seu nome verdadeiro, você estará auxiliando as pessoas que conhece ? amigos, membros da família, colegas de classe e de trabalho e outros conhecidos ? a encontrarem e criarem conexões online com a pessoa correta? completou.

A controvérsia ecoa em questões parecidas envolvendo figuras públicas e empresas que criaram perfis corporativos na rede social, os quais estão sendo deletados, pois a prática é proibida. A Google espera permitir esse tipo de perfil para as companhias em breve.

Há atualmente cerca de 20 milhões de membros no Google+. O serviço está funcionando em regime beta e os usuários só podem experimentá-lo se forem convidados por membros já existentes. O Google+ é um dos projetos mais importantes da companhia: depois de várias tentativas frustradas no ambiente de redes sociais, a gigante está com grandes esperanças que o site finalmente se torne um concorrente à altura do Facebook.

A Google sustenta que as configurações de compartilhamento e privacidade do Google+ são melhores e mais fáceis do que aquelas disponíveis no Facebook, o que provocaria uma diáspora massiva dos usuários da rede de Mark Zuckerberg.

Fonte: Uol-idgnow