McAfee revela uma série de ciberataques contra governos e até a ONU

McAfee revela uma série de ciberataques contra governos e até a ONU

"As empresas e agências do governo estão sendo atacadas todos os dias", revelou a empresa de segurança virtual.

A empresa privada de segurança McAfee afirma ter descoberto a maior série de ciberataques da história, envolvendo a infiltração na rede de 72 organizações, incluindo a ONU, governos e companhias em todo o mundo.

A descoberta foi feita pelos especialistas em segurança da McAfee, que disse haver um "ator estatal" por trás dos ataques, que ocorreram em um período de cinco anos.

A empresa não quis dizer de qual país falava, mas um especialista ligado à investigalção afirmou em anonimato que as evidências apontam para a China.

A longa lista de vítimas dos ataques inclui os governos dos Estados Unidos, Taiwan, Índia, Coreia do Sul, Vietnã e Canadá; além da Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean, na sigla em inglês), o Comitê Olímpico Internacional, a Agência Mundial Antidoping e uma série de companhias privadas, do setor de defesa ao de alta tecnologia.

No caso das Nações Unidas, os piratas virtuais invadiram o sistema de computadores da secretaria em Genebra em 2008. Eles passaram então dois anos acessando informações secretas, segundo a McAfee.

"Mesmo nós ficamos surpresos pela enorme diversidade das organizações atacadas e nós ficamos chocados com a audácia dos piratas virtuais", disse o vice-presidente de pesquisa de ameaças da McAfee, Dmitri Alperovitch, em um relatório de 14 páginas divulgado nesta quarta-feira.

"O que está acontecendo com toda esta informação [...] ainda é uma questão aberta. Contudo, mesmo uma fração dela é usada para construir produtos mais competitivos ou derrotar rivais em negócios cruciais (já que roubaram os documentos da outra equipe), a perda representa uma ameaça massiva econômica", disse.

McAfee disse ter descoberto a extensão da campanha de ciberataques em março deste ano, quando seus pesquisadores descobriram evidências dos ataques enquanto revisavam o conteúdo de um servidor "comando e controle" que eles descobriram em 2009, como parte de uma investigação de brechas de segurança em empresas de defesa.

A empresa chamou os ataques de "Operação nas Sombras RAT" --sigla em inglês para ferramenta de acesso remoto, um tipo de software que piratas virtuais e especialistas em segurança usam para acessar redes de computadores à distância.

Alguns dos ataques duraram apenas um mês, mas o mais longo se manteve por 28 meses e foi contra o Comitê Olímpico de uma nação asiática não identificada, segundo a McAfee.

"As empresas e agências do governo estão sendo atacadas todos os dias. Elas estão perdendo vantagem econômica e segredos nacionais para competidores inescrupulosos", disse Alperovitch à agência de notícias Reuters.

"Esta é a maior transferência de riqueza em termos de propriedade intelectual da história", disse o vice-presidente. "A escala em que isto está acontecendo é realmente, realmente assustadora".

Fonte: Folha.com