Primeiro smartphone da Samsung com sistema Tizen chega no 3º tri

Samsung Z tem tela de 4,8 polegadas e recursos como leitura de digitais. Tizen é mais recente tentativa de reduzir dependência sobre o Android.

A Samsung planeja lançar o primeiro smartphone com seu sistema operacional Tizen no terceiro trimestre de 2014, marcando a mais recente tentativa da companhia de montar seu próprio ecossistema de aplicativos e reduzir a dependência sobre o Android, do Google.

A companhia sul-coreana disse nesta segunda-feira (2) que o Samsung Z, com tela de 4,8 polegadas e recursos como a leitura de digitais, será revelado na Tizen Developer Conferece, em San Francisco, na terça (3).

O aparelho será disponibilizado primeiro na Rússia em algum momento entre julho e setembro. A companhia não especificou, mas disse em comunicado que outros mercados recebem o aparelho na sequência.

A Samsung não ofereceu previsões de vendas ou por quanto o telefone será vendido, embora um executivo tenha dito à Reuters em abril que a companhia está trabalhando em ao menos dois modelos usando o Tizen e que eles serão lançados "em alguns países onde podemos ter um bom desempenho".

O Samsung Z será o esforço mais recente da gigante de eletrônicos de angariar força para o Tizen, com os relógios inteligentes Gear 2 também usando a plataforma.

A maioria dos dispositivos móveis da Samsung utiliza a plataforma Android. O esforço da empresa para desenvolver seu próprio sistema operacional tem enfrentado atrasos em lançamentos de produtos, o que tem minado as expectativas.

O executivo afirmou em abril que acredita que o Tizen precisa ser responsável por até 15% das vendas de smartphones da Samsung para ser considerado um sucesso.

"Há muito espaço e oportunidade para um forte terceiro fornecedor de plataforma. Se você conseguir 10% de um mercado de 2 bilhões de unidades em smartphones (até 2018), isso será uma oportunidade", disse Rachel Lashford, analista da Canalys em Cingapura.

Porém, muitos na indústria têm dúvidas sobre o Tizen e há questões sobre o nível de comprometimento da Samsung sobre a plataforma, argumenta Lashford.

A Samsung não revelou quantos aplicativos estão disponíveis para o Tizen.

Fonte: G1