Qual internet que fica melhor para voce?

Hoje, para acessar a internet, as opções variam de acordo com a distância

Qual internet escolher?

Por Raul de Oliveira

Lembro-me da época em que escolher a minha conexão com a internet resumia-se a decidir qual provedor de serviços era o melhor e, no máximo, o momento de trocar o meu velho modem de 2.400 kbps por um de 14.400 e depois por um de 56 Kbps.

Naquela época, não havia muita escolha entre os serviços prestados, e a conexão era feita através da linha telefônica. Além disso, o gasto com os pulsos era alto, já que se pagava pelo tempo de acesso, não pela banda.

Hoje, para acessar a internet, as opções variam de acordo com a distância e com o meio em que vamos trabalhar. Cada dia que passa, chegam novas opções ao mercado para concorrer com as que estavam lá e já nem eram tão boas. Quem nunca maldisse uma das grandes companhias prestadoras de serviço de banda larga porque a conexão não para em um nível aceitável?

Primeiramente, você deve avaliar qual é a melhor em sua região. Ainda existem lugares do Brasil em que só existe conexão discada, a Banda Estreita. Nesses casos, a conexão não passa dos meros 56 Kbps - com a letra b minúscula, pois representa bits e não bytes (consulte a Wikipédia para mais detalhes). Nesses rincões, convém procurar alternativas móveis, como o 3G ou mesmo o EDGE, que proporcionam mobilidade e velocidade maior.

A conexão de banda estreita ainda é realizada com o auxílio de modems que trafegam a informação através da linha telefônica. Se você mora nos grandes centros, é muito provável que não precise mais desse tipo de conexão. Passemos, então, para a Banda Larga.

A Banda Larga chegou no final do século passado, dando velocidade para o acesso à internet ao mesmo tempo em que liberava a linha telefônica para conversas simultâneas à conexão com a rede.

Para explicar rapidamente o que é a Banda Larga, vamos nos apegar à velocidade e ao primeiro conceito dado a ela, quando se considerava Banda Larga qualquer conexão à internet acima da velocidade-padrão dos modems analógicos (56 Kbps).

Principais serviços disponibilizados hoje no país:

ADSL

Esta é a sigla de Assymetrical Digital Subscriber Line (Linha Digital Assimétrica para Assinante). Utiliza uma linha telefônica digital para oferecer velocidade de transmissão muito superior às linhas discadas. Atualmente o padrão no Brasil é de 2Mbps, mas já existem locais com conexão de 10 a 20 Mbps e projetos pilotos de conexões de 100 Mbps.

No ADSL, a comunicação dos dados é sempre maior para receber (download) e menor para enviar (upload). Daí o nome de "Assimétrica". Seu computador também precisa ter uma placa de rede para ligar o modem, que agora passou ser totalmente digital.

O ADLS é a que possui a maior rede e capilaridade, ou seja, em alguns lugares de nosso querido Brasil, você só poderá optar por ADLS ou pelo modem analógico da banda estreita.

Cabo

É um serviço que disponibiliza internet por meio das redes de transmissões de TV a cabo, pelas quais trafegam o serviço de televisão e os dados de internet simultaneamente.

Na maioria dos provedores não há garantia total da velocidade nominal contratada, uma vez que a rede via cabo utiliza infraestrutura compartilhada, isto é, com um número maior de pessoas utilizando, a velocidade será mais baixa.

Esse serviço é normalmente atrelado à assinatura de um plano de TV. Isso restringe o acesso à internet a cabo às regiões que possuem cobertura de TV por assinatura. A conexão a cabo padrão hoje no Brasil é de 2 a 4 mps. Alguns serviços possuem limites de volume de transferência, após o qual a velocidade cai para taxas ridículas. É bom analisar detalhadamente os planso antes de contratar um serviço.

Rádio

É uma tecnologia que se destaca pelas boas taxas de preço e velocidade. O sinal de internet é disponibilizado utilizando antenas e POPs (Point of Presence, ou Ponto de Presença, em português), que ficam espalhados pela cidade, formando uma imensa rede com os usuários.

A velocidade varia de acordo com o que você contratar do provedor. Esse tipo de conexão é mais utilizado no interior do Brasil para cobrir os buracos que a infraestrutura de cabo e ADLS deixam no nosso território.

Satélite

Utilizada principalmente em cantos mais distantes, é um tipo de acesso que pode ser utilizado em qualquer lugar do planeta. Mesmos os lugares mais afastados, ou até em alto-mar, pode-se usar a rede.

Caso você escolha esse tipo de plano, precisará de alguns aparelhos a mais (antenas e receptores) do que os outros tipos de acesso. Esses aparatos normalmente são oferecidos pelo provedor ou comprados pelo usuário, desde que compatíveis com os padrões do provedor contratado.

A comunicação via satélite possui altas taxas de latência, isto é, lentidão, pois você envia o pedido para o satélite, e este o repassa para seu servidor. Trata-se de um tipo de conexão que você utilizará como última opção, caso seja um simples usuário da rede.

3G

O acesso 3G é a denominação para a Terceira Geração de sistemas celulares que incorporam a possibilidade de oferecer serviços de dados com conexão permanente e taxas de 2 Mbps ou mais. O 3G é a chegada da Banda Larga para os celulares. Antes dele, a rede celular conseguia transmitir dados por redes como EDGE e GPRS, que equivaliam à banda estreita com fio.

O primeiro passo para usar o 3G é saber se sua cidade comporta ou não a tecnologia consultando o site da Teleco. Se sua área tem 3G, basta investir em um chip para seu smartphone ou um modem tipo chaveirinho USB para seu laptop e acessar a internet de qualquer lugar.

Energia Elétrica

A tão discutida Internet sob rede elétrica, conhecida pelo nome BPL - Broadband over Power Lines, ou PLC - Power Line Communications. Segundo a Wikipédia, "consiste em transmitir dados e voz em banda larga pela rede de energia elétrica. Como utiliza uma infraestrutura já disponível, não necessita de obras em uma edificação para ser implantada". Basicamente, a internet sob rede elétrica é o encaminhamento do respectivo sinal no mesmo fio da energia elétrica, cada um na sua frequência. Por enquanto só existe um projeto piloto na cidade de São Paulo. De acordo com o site da AES EletroPaulo, "no momento, esta tecnologia está restrita geograficamente aos seguintes bairros de São Paulo: Moema, Cerqueira Cesar e Pinheiros. São, no total 300, condomínios comerciais e residenciais, totalizando cerca de 15.000 ?homepassed" (edifícios iluminados com BPL)."

Afinal, qual escolher?

A principal característica para escolher sua conexão com a internet depende fundamentalmente de onde você irá acessar e do que você precisa usar na rede. As mais comuns ainda são o acesso via ADLS e cabo, é a rede mais estável (com todos os problemas que têm) e a mais acessível.

Do restante, é uma questão de tempo, de teste e de consulta em grandes comunidades da própria internet para saber se vale ou não a pena utilizar uma ou outra operadora para se conectar

Fonte: AE