Rede social desenvolvida no Piauí possui 2.100 participantes

Criada no Piauí,Tunter, é uma das mais novas redes sociais.

O segmento de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) vem se desenvolvendo consideravelmente na nossa cidade. Uma pesquisa divulgada recentemente pela Revista Exame apontou que Teresina está entre as 50 cidades brasileiras mais inteligentes pelo uso de melhores ferramentas tecnológicas e de informação.

Com o objetivo de incentivar negócios digitais, a Prefeitura de Teresina apoia o programa Acelera Cuia de Startups, que oferece aporte para que jovens da capital possam desenvolver suas empresas de base tecnológica. O programa possui duas etapas e foi iniciado há pouco mais de uma semana, no prédio administrativo do Lagoas do Norte.

Image title

No referido programa, que integra o projeto Lagoas Digitais, foram selecionadas doze startups (grupo de empreendedores do ramo de tecnologia, com empresas em estágio nascente ou com até três anos de formalização) para a primeira etapa. Dentre essas, serão escolhidas as quatro melhores para a segunda fase do programa, que se inicia em setembro. A primeira etapa (pré-aceleração) tem um mês de duração, sendo indispensável para a definição, consolidação e validação da ideia junto ao mercado. A segunda etapa (aceleração) é necessária para o desenvolvimento do modelo de negócios e possui três meses de duração.

Uma das startups contempladas pelo Acelera Cuia de Startups, por meio de apoio tecnológico, logístico e de mentorias, é a Tunter, uma das mais novas redes sociais do mundo, criada no Piauí, que tem conseguindo despertar seguidores por possuir uma linguagem simples e acessível. Tendo as mesmas funcionalidades das outras redes sociais, como fotos, vídeos e postagens personalizadas, a rede se diferencia por ter a ferramenta Blog. No ar há menos de um mês, já possui cerca de 2.100 participantes.  

De autoria dos jovens piauiense Matheus Miguel e Kergisnaldo Sampaio, a rede social surgiu com a proposta de ser restrita, destinando-se apenas a facilitar a comunicação entre os colegas de classe para a realização dos trabalhos escolares. Mas, em poucos dias, o número de integrantes se expandiu e os criadores resolveram disponibilizá-la para o público em geral.

Para Matheus, participar do Acelera Cuia de Startups vai dar possibilidades reais da Tunter se tornar rentável. “A ideia é fazer com que ela se torne rentável, que gere um negócio. Então acredito que essa será uma boa oportunidade”, disse o estudante de apenas 16 anos, que afirma que a maioria dos participantes da rede social são de outros estados, como São Paulo e Rio de Janeiro.

O coordenador do Lagoas Digitais,  Bringel Filho, destaca que as startups selecionadas da aceleração devem receber o auxílio de até três bolsas nos próximos três meses, o que resulta no aporte de R$ 7.200,00 nesta segunda etapa. Além disso, cada startup contará ainda com apoio tecnológico para o desenvolvimento da ideia, bem como com apoio logístico e de mentorias.

Bringel Filho acrescenta que o programa é muito importante para quem está começando no ramo e deve fomentar a economia local. “Esse é o primeiro projeto de aceleração que busca apoiar novas empresas de tecnologia em Teresina. Vai impactar diretamente na economia ao fomentar o surgimento de novas empresas. A nossa intenção é ajudar as empresas para que elas possam amadurecer e se preparar para o mercado de trabalho”, observa.

De acordo com o secretário municipal de Economia Solidária, Olavo Braz, esse é um dos projetos que a Prefeitura de Teresina desenvolve para impulsionar o segmento de Tecnologia da Informação e Comunicação: “TIC é uma área que está sendo focada na gestão do prefeito Firmino Filho. Uma área que vem se expandindo e não poderíamos de deixar de dar suporte para que ela possa crescer ainda mais na capital. A exemplo do Lagoas Digitais, também estamos desenvolvendo o projeto Coworking TI Solidário, que está oferecendo capacitação técnica através da oferta gratuita de cursos na área. A última turma de jovens que participou da qualificação tem conseguido se destacar pelos aplicativos criados ao final do curso”, destaca.

O projeto Lagoas Digitais é realizado por meio das secretarias municipais de Economia Solidária (Semest) e de Planejamento e Coordenação (Semplan), em parceria com a Rede Social Solidária, Universidade Estadual do Piauí (Uespi), Instituto Federal do Piauí (Ifpi), a Empresa Teresinense de Processamento de Dados (Prodater), a Agência de Tecnologia da Informação do Estado do Piauí (ATI) e o Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas do Piauí (Sebrae).

Fonte: Assessoria