Sueco cria computador portátil de "vestir"

Óculos com tela integrada permitem ver informações o tempo todo.



O futurista americano Raymond Kurzweil, um dos maiores defensores do conceito conhecido como transumanismo, acredita que a tecnologia vai servir, em breve, para ampliar as capacidades humanas e, eventualmente, nos transformar em seres imortais. O pesquisador sueco Martin Magnusson quer fazer com que parte desse futuro chegue mais cedo. Ele desenvolveu um computador portátil, que ele carrega e utiliza durante todo o tempo, mesmo quando está prestando atenção em outras tarefas do dia-a-dia.

O "ciborgue" de Magnusson utiliza um par de óculos com tela integrada, conectada um pequeno computador feito em casa. Um pequeno teclado serve para inserir dados. O sistema operacional escolhido foi o Linux. Sem fios, via bluetooth, a máquina é ligada a um iPhone, que serve para ligar o computador à internet. O sistema fica guardado em alça de bolsa do tipo carteiro, pendurada no ombro do usuário.

A ideia surgiu quando Magnusson identificou limitações dos computadores tradicionais. "O computador é uma janela para o mundo virtual", afirma Magnusson em seu blog. "Mas assim que eu me levanto e me afasto da máquina, a janela fecha e fico limitado à realidade física. Minha máquina permite que essa janela siga aberta, o tempo todo", acredita.

A máquina de Magnusson é fruto de um conceito plantado nos primórdios da computação moderna. Quando o pesquisador americano Douglas Engelbart apresentou, no final dos anos 60, o primeiro mouse e o primeiro sistema com um ambiente gráfico, já se discutia a chamada ampliação do intelecto humano por meio de computadores. O homem do futuro, afirmava Engelbart, iria terceirizar para as máquinas funções que até então dependiam apenas do cérebro.

"Não preciso mais memorizar minha lista de coisas a fazer e minha agenda para um determinado dia. Elas ficam expostas o tempo todo no canto do meu olho", conta o pesquisador sueco.

Fonte: g1, www.g1.com.br