Tablet à prova d"água Sony Xperia Z é bonito, processador potente e caro

Para efeito de comparação, o iPad Air de 64 GB sai por R$ 2.500.

O Sony Xperia Z tem características de um tablet de respeito: tela de 10,1 polegadas, processador potente, bateria de longa duração e design sofisticado. Se a câmera de 8,1 megapixels deixa a desejar, o aparelho compensa com a possibilidade de funcionar até debaixo d"água. Com tantos pontos positivos, o que estraga o Xperia Z é o preço de R$ 2.600 (versão com suporte a cartão SIM e 4G, avaliada pelo UOL Tecnologia). Para efeito de comparação, o iPad Air de 64 GB sai por R$ 2.500.

Deixando de lado a questão monetária, o que se vê é, sim, um excelente produto. O processador com quatro núcleos de 1,5 GHz e os 2 GB de RAM rodaram sem nenhum problema aplicativos e jogos pesados, como o "Dungeon Hunter 4" e o "Modern Combat 3". Durante toda a utilização do tablet, não houve momentos de lentidão ou travamentos.

Um ponto que impressionou bastante, durante a avaliação do UOL Tecnologia, foi a excelente duração da bateria. Ela deixa o tablet vivo durante 9 horas, com Wi-Fi ligado, brilho no máximo e conteúdo multimídia rodando. Com isso, é possível assistir a seis horas ininterruptas de vídeo em alta definição.

O design do Sony também merece elogios. Com espessura semelhante à de uma caneta BIC e com as laterais praticamente lisas, o tablet é leve. Seu design leva em consideração questões de ergonomia. Operá-lo é uma tarefa prazerosa tanto do ponto de vista de software, como de manuseio.

O único porém é que, ao segurá-lo na posição horizontal, as mãos do usuário podem ficar sobre os autofalantes. Quando isso ocorre, obviamente, o som reproduzido fica abafado.

A saída seria utilizar fones de ouvido ? o problema, infelizmente, é que o Xperia Z não vem acompanhado do acessório.

Tablet submarino

O maior diferencial do Xperia Z é funcionar até debaixo d"água ? nos testes, ele foi imerso em uma bacia com água e também em uma piscina. Ambas as experiências foram realizadas por até 30 minutos, limite dado pelo fabricante.

Usada debaixo d"água, a câmera se mostrou eficiente e produziu fotos boas. O que incomodou é que, com o produto molhado, a utilização do touchscreen é afetada. As gotas de água na tela podem tornar a tarefa de operá-lo um tanto trabalhosa, com os comandos sendo mal-interpretados. Porém, nada que uma toalha seca não resolva.


Tablet à prova d

Fonte: UOL