Veja o review completo da GoPro Hero 4 Black, top de linha da marca recém chegada no Brasil

Veja o review completo da GoPro Hero 4 Black, top de linha da marca recém chegada no Brasil

A GoPro Hero 4 Black é o sonho de consumo mais recente dos fãs da câmera de ação. E para dar uma forcinha na construção dessa ideia, a top de linha chegou com possibilidade de filmar em 4K com 30 fps, qualidade Full HD, update nas fotos noturnas e o salgado valor de R$ 2.499. Compensa? Veja a nossa análise e tire as suas próprias conclusões. 

Design


As medidas da Hero 4 Black não são muito diferentes das encontradas nas irmãs mais velhas, as Hero 3 e 3+. São elas: 41 mm x 54 mm e 88 g (um pouquinho mais pesada do que a antecessora). Ou seja, um conjunto que cabe, literalmente, na palma da mão. Ponto a favor, já que se trata de uma câmera de viagem e, de fato, a GoPro pode ser transportada para qualquer lugar, como um chaveiro robusto.

Aliás, a cor cinza, comum entre as GoPros desde o primeiro modelo, é uma escolha feliz para câmeras de ação, já fica mais difícil detectar possíveis arranhões de queda e demais danos que dão a sensação de "velha".


Botões


Como toda boa GoPro, a Hero 4 Black é composta por três botões, e cada um deles com mil e uma utilidades. À frente da câmera, logo a direita da lente, fica o botão de Power/Mode, que liga a câmera. Ele é grande, mas não é pesado. Com uma pressão moderada, já efetua o comando, mas não é leve o suficiente para ligar sozinha na bolsa em caso de atrito com outros objetos.

Na lateral direta, o pequeno-notável botão Settings/Tag, preto e facilmente camuflado com a cor da lateral. O tamanho não chega a ser um super problema, mas vale apontar que, em ambientes de pouca luz, não foi fácil encontrá-lo. Já no canto superior direito, há o botão Shutter/Select; grande, leve, e ainda conta um detalhe esférico em vermelho, que ajuda a identificação. 


Outra novidade da Hero 4 Black está nas costas. Diferente dos modelos anteriores, a traseira da 4 Black é lisa e o espaço para bateria passou para a base da câmera. Bom por um lado, porque deixa o visual da câmera mais leve, e ruim pelo outro, que não deixa que os usuários de GoPro de longa data utilizem a bateria de modelos antigos na nova. 


Luzes 


Desde a Hero 3, a GoPro passou a usar duas luzes para orientar o usuário sobre alguns status da câmera. São elas: a vermelha, que mostrar se está em atividade (foto ou vídeo) ou carregado, e a azul, responsável por detectar se há ligação com a rede Wi-Fi. 


Quanto aos dois modelos antecessores, a mudança fica por conta da posição das luzes de orientação. Antes, elas ficavam ao lado do botão de ligar, e, na Hero 4 Black, ela trocou o formato circular pelo retangular e foi para a lateral direta da tela, como parte da moldura. A mudança pode até ser uma tentativa para ajudar na iluminação da tela, mas, na prática, "não rolou".  

Tela de Status


Ela vem com um monitor mínimo, mas suficiente para o que se propõe quando a iluminação do ambiente ajuda. Nele, é possível manusear o menu principal sem problemas ou desorganização. 


Mas, novamente, a GoPro investiu na qualidade das fotos em ambientes noturnos, mas deixou de lado o manuseio da câmera em tais situações. Nada que uma "luzinha" simples não resolvesse.  


Desempenho


A Hero 4 Black, no geral, cumpre bem o que se propõe; garante o update na produção de vídeos e trouxe algumas melhorias em fotos. O conjunto interno ainda permite um clique com resposta rápida, assim como uma mudança de ítens no menu sem travar. 


O tamanho, um ponto a favor quando o assunto é portabilidade, acaba prejudicando no desempenho das fotos e vídeos. As dimensões reduzidas prejudicam na pegada e na estabilidade na hora de fazer o clique. Logo, quando você pedir para alguém tirar uma foto sua em grupo, pode esperar que o resultado ficará mais tremido do que o comum. 

Por falar em fotos, a Hero 4 Black não trouxe novidades significativas em relação à antecessora. Ambas têm seus 12 megapixels e mesmo sensor (pequeninho) com área de 1/2.3" (cerca de 25 mm²). Quando postas lado a lado em ambiente iluminado, você nem nota a diferença entre as fotos tiradas pela Hero 4 ou pelo 3+. Aliás, diga-se passagem, a GoPro sai na lanterna diante das concorrentes no mercado das câmeras de ação.  


Na prática, as fotos não são de qualidade profissional, mas, se o intuito é postar no Instagram, Facebook, de forma rápida, ela é "o cara". Aliás, a conexão via Wi-Fi, junto ao GoPro App, que roda em Android e iOS, funciona com tranquilidade. 


Mas vale o destaque, a iluminação das fotos tiradas "no escuro" ganhou um update. Agora, há a possibilidade de um aumento de exposição de até 30 segundo, o que garante o contato do sensor com a luz por mais tempo e, logo, fotos mais iluminadas. Além disso, o modo Protune, antes só para vídeos, chegou para fotos na Hero 4 e trouxe autonomia na saturação de cor, iluminação, ISO e outras cositas mais. 

A parte de vídeos é a "menina dos olhos" quando se trata da Hero 4 Black. Ela traz a mesma qualidade 4K do que a antecessora, mas garante o dobro de quadros por segundo: agora temos 30, e qualidade 1080p (Full HD). 


Na prática, a qualidade é bem admirável, e o processador ainda garante respostas rápidas à mudanças de ambiente, mesmo quando a variação de luz e balanço de branco é extrema. 


Para armazenamento, fica a critério do freguês, mas, durante os testes, utilizamos o cartão da microSD da SanDisk de 64 GB, capacidade máxima da câmera.

Bateria

A bateria não é um tópico no qual a GoPro deva se orgulhar. Com 1.160 mAh, ela funciona bem em saídas restritas à fotografia, mas, quando é necessário filmar, ela esquenta muito e dura pouco. Para piorar, a GoPro modificou o formato da bateria na Hero 4 Black e, por isso, os usuários que têm modelos antigos não poderão reaproveitar as baterias na nova versão. 

O princípio de uma câmera de ação é resistência e portabilidade, mesmo que isso custe a qualidade das fotos. Bom, em termos de estrutura, a Hero 4 Black , sozinha, precisa de mais cuidados. Ela não evoluiu ao ponto, por exemplo, de ser à prova d'água sem precisar da case apropriada. Protegida, a GoPro promete segurança em até 40 m com a câmera submersa. 


Por outro lado, muitas das fotos feitas com a case em baixo d'água continuam "nevoadas" quando a case fica embasada. Vale lembrar também que, a necessidade de lacrar completamente a câmera prejudica (muito!) a qualidade do áudio. GoPro à prova água? Fica para uma próxima... 

Custo-Benefício


Se a pergunta inicial que te trouxe até o final foi: "ainda vale a pena comprar uma GoPro?", sem dúvidas, a resposta é sim! Portátil, versátil (é possível tirar fotos no formato "olho de peixe" até as mais tradicionais), de fácil compartilhamento nas redes, de uso intuitivo, e muitas outras vantagens. 

Caso o seu objetivo seja fazer vídeos melhores, então, o modelo Hero 4 Black é tudo o que você sonha e um pouquinho mais; full HD, 4K, 30 fps, .....enfim, tudo de bom.


Mas, se o seu intuito é fazer um upgrade da sua Hero 3+ Black, talvez não seja o momento. Ela ainda veio à prova d'água, não chegou com uma tela de LCD para visualizar o resultado na hora, não trouxe melhorias significativas nas fotos e a bateria ainda dura menos. Nesse caso, desembolsar R$ 2.499 pode ser um pouco frustrante.





Fonte: tectudo.com.br