WhatsApp fica fora do ar por 4h devido a problemas em servidores

WhatsApp fica fora do ar por 4h devido a problemas em servidores

Twitter oficial do WhatsApp informa sobre a volta do serviço

O serviço de mensagens online WhatsApp caiu na tarde deste sábado (22). O aplicativo começou a apresentar instabilidade por volta das 15h30, não sendo possível enviar ou receber mensagens. A falha só foi corrigida cerca de quatro horas após ter início, por volta das 19h30, e teria sido causada por problemas em servidores, segundo a empresa responsável pelo app. Nas redes sociais, usuários do mundo inteiro reclamaram sobre o problema.

Em seu perfil no Twitter, o WhatsApp confirmou a queda do serviço na tarde deste sábado. "Desculpe. Estamos enfrentando atualmente problemas com nossos servidores. Esperamos estar de volta e recuperados brevemente", disse a empresa, após quase duas horas após o início da instabilidade.

O problema deixou o WhatsApp totalmente fora do ar, afetando todas as plataformas em que o serviço é oferecido. Ao enviar uma mensagem, o usuário se deparava com o constante reloginho, que significava que o texto não havia sido sequer entregue aos servidores do app. Também não era possível receber nenhum recado dos contatos.

O aplicativo só foi normalizado parcialmente no início da noite deste sábado. Por volta das 19h20, o serviço começou a enviar e receber mensagens novamente em alguns aparelhos, enquanto permanecia indisponível em outros. Pouco tempo depois, a falha com os textos foi, aparentemente, corrigida para todos. No entanto, usuários continuavam reclamando que não era possível enviar ou receber imagens, vídeos ou recados de voz.

As constantes quedas e instabilidade de serviço do WhatsApp tem sido alvo constante de críticas por parte do usuário. No início do mês, um bug fez com que fotos de perfil de contatos desaparecessem. Em dezembro, o serviço ficou indisponível mundialmente pouco tempo após uma falha que expulsou diversos usuários de grupos.

Queda vira alvo de gozação nas redes sociais

No Twitter, as primeiras reclamações a respeito da queda do WhatsApp começaram a aparecer por volta das 15h30 deste sábado. Em poucos minutos, o assunto se tornou um dos mais comentados do país, chegando a ocupar o Trending Topics brasileiro. Boa parte dos usuários ironizava a compra do aplicativo de mensagens pelo Facebook.

O termo "#GoogleNãoDeixeOFacebookComprarOTwitter" chegou a primeira colocação fazendo referência à compra do aplicativo pela rede social de Mark Zuckerberg, dona do rival Facebook Messenger. A venda do serviço foi lembrada ainda pela hashtag "#MarkDevolveoWhatsApp", que tenta fazer com que o CEO do Facebook cancele o negócio.

Além da brincadeira dos internautas, dois rivais do WhatsApp ganharam lugar entre os assuntos mais comentados do Brasil. O chinês WeChat, que tem mais de 600 milhões de usuários em todo o mundo; e o Viber, famoso mensageiro que faz ligações gratuitas pela Internet, também ganharam espaço no Trending Topics. Ambos, assim como o Line, são visto como as principais alternativas ao WhatsApp.

Primeira falha após compra bilionária

A queda do WhatsApp neste sábado acontece poucos dias após o Facebook anunciar a compra do aplicativo por 16 bilhões de dólares (cerca de R$ 38 bilhões). O valor é superior aos US$ 7,2 bilhões pagos pela Microsoft na compra da Nokia e da verba gasta nas Olimpíadas de Londres 2012, que foi de US$ 10,2 bilhões.

Segundo o Facebook, o WhatsApp seguirá trabalhando como uma empresa subsidiária, ou seja, independente da rede social e de forma semelhante ao Instagram. O aplicativo de mensagens possui cerca de 450 milhões de usuários em todo mundo e era tido como o principal concorrente da rede social de Mark Zuckerberg entre dispositivos móveis, que não havia conseguido muito êxito com o Facebook Messenger.

A movimentação, aliás, gerou um clima de incerteza entre os usuários do futuro do serviço e os planos do Facebook sobre o aplicativo. Além do WhatsApp, o rede social do Facebook também é dona do Instagram, famoso aplicativo de compartilhamento de fotos com filtros, comprado em 2012 por um bilhão de dólares.

Fonte: Tech Tudo