Terrenos baldios acumulam lixo e causam transtornos à moradores na zona Leste

Terrenos baldios acumulam lixo e causam transtornos à moradores na zona Leste

Um dos pontos mais críticos fica na esquina da Rua Marcos Parente com Rua Senador Cândido Ferraz, no Jockey, e traz preocupação aos moradores

Terrenos abandonados no meio do centro urbano representam preocupações para moradores, prefeitura e proprietários, tendo em vista que o abandono facilita o descarte de lixo e acúmulo de mato, promovendo o mau cheiro e facilitando a proliferação de doenças.

Em um terreno localizado na esquina da Rua Marcos Parente com Rua Senador Cândido Ferraz, no Bairro Jockey Club, foram constatados acúmulo de lixo doméstico, entulho de construção, troncos de árvores e muita água em praticamente toda a área do terreno. Esses problemas colocam em risco a saúde e a qualidade de vida de quem passa ou vive próximo ao local.

No entanto, a situação mais grave no local é grande quantidade de água suja que encobre a área e a deixa com aspecto pantanoso também devido à presença de vegetação densa no local. De acordo com informações de populares, a situação naquele terreno específico se repete há alguns anos.

O pântano se forma, geralmente nos períodos chuvosos, já que a área parece ter um nível mais baixo em relação à rua, o que dificulta o escoamento da água acumulada ao longo de meses.

Todo o cenário tem característica assustadora, com água suja e parada, atrativas para insetos e outros animais. O lixo exala mau cheiro, assim como a água, que está sempre borbulhando, sugerindo a existência de animais no fundo da água ou formação de gases.

O servente de pedreiro Solimar Sousa, que trabalha há um mês em uma obra próxima, diz que está incomodado com a situação. ?Essa água está parada há muito tempo e as pessoas que trabalham aqui diariamente têm medo de contrair dengue. Acredito que essa situação é absurda em um terreno no meio de um bairro?, disse o servente.

A situação também é grave por existirem outros terrenos abandonados na área e cobertos de mato. Por ser um local deserto e com pouquíssimas habitações, salvo por alguns condomínios a alguns quarteirões dali, pessoas aproveitam para descartar o que não é recolhido pelo caminhão do lixo e até o lixo comum.

Na tentativa de se livrarem da ?paisagem? e do mau cheiro, algumas pessoas optam por fazer queimadas no lixo, contribuindo com o aspecto poluído da área.

Lixo de restaurante é descartado em terreno

Na Rua Industrial José Camilo da Silveira, no Bairro de Fátima, os moradores estão queixosos do excesso de lixo descartado em um terreno localizado no fim da rua. De acordo com os moradores, o problema existe há alguns anos, além do crescimento do mato que facilita o esconderijo para animais perigosos.

De acordo com a moradora Francisca Maria de Almeida Lima, o mau cheiro impede os moradores de ficarem muito tempo na porta de casa. "Geralmente os restaurantes mandam carroceiros jogar os restos de comida aqui e outros tipos de lixo, o que produz um grande mau cheiro que afeta a vizinhança", reclamou.

O comerciante Humberto Silva também confirmou que carroceiros costumam jogar lixos de restaurante no local. Não apenas carroceiros, mas alguns caminhões caçambas aproveitam o local para descartar entulhos. De acordo com o comerciante, diversas reclamações já foram feitas à Prefeitura.

"Esse problema sempre houve por aqui, pois moro há nove anos na área e nunca vi outra situação nesse terreno. Já reclamamos para os carroceiros e outras pessoas que vêm até aqui jogar o lixo, mas o problema é muito incômodo por conta do mau cheiro e por facilitar o aparecimento de moscas e urubus".

A moradora Francisca Maria Lima informou que a Prefeitura faz a limpeza periódica no local, mas que a ação não impede o descarte de lixo.

SDU Leste faz levantamento das ações de fiscalização

Sobre os terrenos citados na matéria, a Superintendência de Desenvolvimento Urbano Leste (SDU/Leste) informou que os casos foram repassados para a Gerência de Fiscalização que providenciará a inspeção dos problemas relatados.

A SDU/Leste também informou que a Gerência de Fiscalização realizou trabalho intensivo durante o ano de 2013, principalmente com o controle e a fiscalização das atividades relativas ao uso, ocupação e parcelamento dos solos, obras, posturas e preservação ambiental.

Ao todo foram realizadas cerca de mil vistorias de fiscalização para reforma e ampliação, licença para demolição, vistoria em construções, pareceres técnicos diversos, fiscalização de loteamento, entre outros.

Ao todo, foram 309 multas diversas na zona Leste e 126 notificações de ocupação do passeio público. Foram encontrados 242 terrenos baldios irregulares, 169 foram notificados e 73 autuados.

Além disso, através da política de urbanismo, a SDU/Leste vem buscando promover a ocupação racional dos espaços urbanos e regularização de áreas ocupadas por famílias carentes.

Fonte: Samira Ramalho