Testemunha diz à polícia que viu Eliza com Bruno e mais dois amigos na piscina de sítio

Testemunha diz à polícia que viu Eliza com Bruno e mais dois amigos na piscina de sítio

Eliza desapareceu no dia 4 de junho, quando teria saído do Rio de Janeiro para Minas Gerais a convite de Bruno

A Polícia Civil deverá ouvir nos próximos dias o depoimento de uma pessoa que afirma ter visto a estudante Eliza Samúdio, 25 anos, no sítio do goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes de Souza, há cerca de três semanas. A reportagem do Terra conversou com a testemunha, que trabalha em uma casa próxima ao sítio, localizado no condomínio Turmalina, em Esmeraldas, região metropolitana de Belo Horizonte (MG), e pediu para não ser identificada.

"Depois que eu vi a foto dessa menina na televisão, não tenho dúvidas: é ela mesmo. No dia ela vestia um short jeans e uma camiseta branca e estava na área da piscina com o Bruno e mais dois amigos", diz a testemunha, que afirma ter visto Eliza entre os dias 8 e 9 de junho.

Eliza desapareceu no dia 4 de junho, quando teria saído do Rio de Janeiro para Minas Gerais a convite de Bruno. No ano passado, ela procurou a polícia para dizer que estava grávida do goleiro, e que ele a teria agredido para que ela tomasse remédios abortivos para interromper a gravidez. O processo de reconhecimento de paternidade corre na Justiça do Rio e o menino foi registrado apenas com o nome da mãe, sem pai declarado.

A testemunha afirma ainda ter visto na semana seguinte, durante três dias (16, 17 e 18 de junho), a mulher de Bruno, Dayane Souza, com uma criança que seria o filho de Eliza. "Ela (Dayane) estava com o menino no colo, brincando na área do parquinho e parecia demonstrar carinho com ele", afirmou.

A delegada Alessandra Wilke confirmou que um corpo feminino, assassinado a tiros, foi encontrado na região de Esmeraldas há cerca de 20 dias. Entretanto, ela negou que o corpo seja da ex-amante de Bruno. "Não há corpo de Eliza. Não existe corpo de Eliza", disse a delegada, sem explicar como a identificação do corpo foi feita.

A polícia também aguarda a autorização da Justiça para a quebra, já solicitada, de sigilo telefônico de Eliza e Bruno.

O caso

O goleiro do Flamengo nega as acusações de que estaria envolvido no desaparecimento de Eliza, que teria sumido após deixar o Rio de Janeiro em direção a Minas Gerais a convite de Bruno. A delegada Alessandra disse que contatou as amigas de Eliza no Rio, que confirmaram a viagem. Na última quinta-feira, a polícia recebeu denúncias anônimas dizendo que Eliza teria sido espancada por Bruno e dois amigos dele até a morte no sítio de propriedade do jogador. Ainda de acordo com as informações recebidas pela polícia sob sigilo, o goleiro teria queimado roupas e pertences de Eliza após o crime.

Segundo a apuração de Alessandra, Bruno esteve no sítio entre os dias 6 e 10 de junho. Na noite de sexta-feira, a polícia foi ao local e recebeu a informação de que o bebê apontado como filho do atleta, de 4 meses, estaria lá. A atual mulher do goleiro, Dayane Rodrigues do Carmo Souza, negou a presença da criança na propriedade. No entanto, durante o depoimento dos funcionários do sítio, um dos amigos de Bruno afirmou que, por volta de 19h de sexta-feira, Dayane havia entregado o menino na casa de uma adolescente no bairro Liberdade, em Ribeirão das Neves, onde foi encontrado.

Por ter mentido à polícia, Dayane Souza foi presa. Contudo, após conseguir um alvará, foi colocada em liberdade na manhã deste sábado. Ela também será novamente convocada a depor.

Por meio de sua assessoria, Bruno disse não saber do paradeiro de Eliza, nem do filho. "Não tenho contato com essa mulher há mais de dois meses. Nunca a levei para Minas. Nas férias fui para minha fazenda com a Dayane, minha esposa, e minhas filhas. A Dayane continua lá, e eu voltei para treinar", afirmou o goleiro.

Outras polêmicas

O goleiro Bruno já esteve nos noticiários policiais outras vezes. Quando jogava pelo Atlético-MG, em 2006, ele foi detido em Ribeirão das Neves, cidade onde morava, por ter participado de um racha de carros durante a madrugada.

Já no Flamengo, em 2008, Bruno e outros atletas da equipe carioca se envolveram em uma briga com garotas de programa durante uma festa no sítio do atleta logo após uma partida entre o rubro-negro e o Atlético-MG.

Bruno também deu uma polêmica declaração em uma entrevista coletiva quando tentou defender o jogador Adriano, seu colega de Flamengo, de uma suposta acusação de agressão à noiva. "Qual de vocês que é casado que nunca brigou com a mulher? Que não discutiu, que não até saiu na mão com a mulher, né cara? Não tem jeito. Em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher, xará", disse o goleiro no início de março.

Fonte: Terra, www.terra.com.br