Teto de templo da igreja Renascer estava sobrecarregado quando desabou em SP

A Renascer negou que tenha havido instalação de equipamentos no teto ou alteração do projeto original.

O teto da Igreja Renascer em Cristo, no Cambuci, Zona Sul de São Paulo, estava sobrecarregado quando desabou no último domingo (18), matando nove pessoas e deixando mais de cem feridas. A afirmação foi feita pelos diretores do Departamento de Controle do Uso de Imóveis (Contru), em depoimento ao Ministério Público nesta quinta-feira (22).

"Os diretores do Contru também estiveram no local e verificaram que as telhas foram trocadas recentemente, e equipamentos de som e ar condicionado estavam fixados em um local onde anteriormente, quando da vistoria, não estavam", afirmou o delegado Dejar Gomes Neto.

A Renascer negou que tenha havido instalação de equipamentos no teto ou alteração do projeto original. A demolição do que sobrou da igreja está programada para esta sexta-feira (23). Dois caminhões, um deles com guindaste, já estava no local por volta das 7h.

Na quinta, o estacionamento que fica na parte de trás do templo foi isolado com tapumes. A retirada dos escombros será manual, para minimizar os riscos e não atingir os nove imóveis isolados no local.

A polícia já ouviu 35 depoimentos no inquérito que apura as causas do desabamento. O prefeito Gilberto Kassab afirmou que não houve falta de fiscalização no templo. Segundo Kassab, durante os quatro anos do último mandato, 343 igrejas foram multadas e outras 41 fechadas. Ele reconheceu, entretanto, que a prefeitura não consegue impedir todas as irregularidades sozinha.

"É impossível em uma cidade de 11 milhões de habitantes você ter uma fiscalização 100% eficiente se não der a oportunidade para o cidadão, para a imprensa e para o Ministério Público serem parceiros na fiscalização", disse o prefeito.

O secretário das subprefeituras, Andréa Matarazzo, acha que é preciso modernizar a fiscalização. Enquanto isso, é bom ter cuidado. "Olhar as condições do local, ver as condições do prédio, prestar atenção nas condições do prédio. Se tiver dúvida, não entrar, principalmente locais de grande quantidade de pessoas, e aí estão algumas casas de espetáculos e algumas igrejas", afirmou.

Fonte: g1, www.g1.com.br